Brasília-DF,
15/DEZ/2017

Carnaval de Salvador conta com homenagem a Dorival Caymmi e vários ritmos musicais

Em frente ao camarote 2222, de Gilberto Gil, dividiu com ele a interpretação do clássico Marina

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Irlam Rocha Lima Enviado especial Publicação:01/03/2014 13:23Atualização:01/03/2014 18:23
 (Denilson Santos/AgNews)
Em 2014 os grandes homenageados do carnaval de Salvador são o patriarca da música baiana, Dorival Caymmi – na passagem do centenário - e os blocos afros que comemoram 40 anos. Daniela Mercury, por exemplo, levou para um trio independente que comandou na noite de sexta-feira (28/2) um espetáculo para celebrar Caymmi no circuito Barra/Ondina.

Em frente ao camarote 2222, de Gilberto Gil, dividiu com ele a interpretação do clássico Marina. O bloco de Daniela, 100 cordas, foi seguido por uma multidão da qual fazia parte expressiva contingente do seguimento GLBTS.

No mesmo circuito pode se apreciar alguns encontros, entre eles: um improvável entre Genival Lacerda e Preta Gil. Eles cantaram juntos Severina chique chique e Ela deu o rádio.
 (Denilson Santos/AgNews)

Ao contrário do que se imagina, não é só Axé que se ouve na folia baiana. Existe espaço a verdade para uma variedade impressionante de ritmos. Pode-se ouvir desde música eletrônica do francês Bob Sinclar até o pagode de Thiaguinho. Embora obviamente haja predominância de artistas locais, como Chiclete com Banana, Timbalada, Cláudia Leitte, Saulo Fernandes e Banda Eva.

Além do Psirico, Márcio Victor, autor do grande sucesso Lepo lepo. Alias, esta música que é uma mistura de arrocha com pagode baiano está no repertório de vários cantores. Inclusive da banda Aviões do Forró, outra atração da eclética programação do carnaval de Salvador. O público pode curtir também Luis Caldas, tido como criador do que venha a ser chamada de Axé music.

No circuito Campo Grande/Avenida 7, quem se destacou foi Carlinhos Brown que levou para a festa o furdunço, blocos 100 cordas, animado pelo trio elétrico Caitanave. No centro histórico (Pelourinho) onde trio elétrico não entra, o que se ouviu foram antigas marchinhas trocadas por fanfarras e grupos acústicos, além de uma orquestra sob a batuta do maestro Fred Dantas.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.