Brasília-DF,
11/DEZ/2017

Tambor Mineiro arrasta folião no Prado com samba e MPB

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Carolina Cotta - Estado de Minas Publicação:03/03/2014 11:38
Tambor Mineiro, de Maurício Tizumba, emocionou os carnavalescos nas ruas do Prado (Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Tambor Mineiro, de Maurício Tizumba, emocionou os carnavalescos nas ruas do Prado

Nada de repiques, caixas ou tamborins. Foi o Tambor Mineiro que arrastou o folião pelo Prado na tarde de ontem. À frente do bloco, Maurício Tizumba fez um passeio pelo tradicional bairro da Região Oeste de BH. Sambas de roda, sambas-enredo e clássicos da MPB ganharam acompanhamento sincronizado e democrático: na bateria, crianças, adultos e idosos não deixavam ninguém parado.

A música tema era um grito contra o preconceito e estava na boca de todos. Os versos de Tinga - o jogador do Cruzeiro, hostilizado por torcedores peruanos na Copa Libertadores, que virou nome de canção - pediam igualdade e o fim da violência contra os negros.

Para Tizumba, se a folia de BH renasce da iniciativa popular, responsável por voltar com a festa para as ruas, não havia como ele ficar de fora. "E não poderia também pular carnaval com o povo sem falar do negro que carrega o carnaval brasileiro nas costas", defendeu o artista, que fez também sua declarada homenagem ao estado quando cantou o Peixe vivo e comparou as belezas baianas à mineiras. Os mais de 300 presentes se emocionaram.

Foi uma estreia tardia para a psicóloga Carolina Horta, de 34 anos. Apesar de morar em BH há anos, foi a primeira vez que não fugiu para sítios. Ao lado do marido, Ivan Ferreira, ela era só elogios. "Estou adorando. A cidade está vazia, e ao mesmo tempo cheia de atrações".

Na Concórdia, Região Nordeste de Belo Horizonte, outro grupo reforçava sua cultura. Depois de 25 anos, Belo Horizonte voltou a ter um afoxé: o Bandarerê. Candomblecistas de diversos terreiros da região metropolitana se reuniram no bairro, que é considerado um reduto do candomblé.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.