Brasília-DF,
25/JUN/2017

Wagner Moura fala sobre Praia do futuro, que estreia em Berlim nesta terça

Para o ator, apesar de tratar da temática, o filme não tem como tema principal a homossexualidade; o longa disputa o Urso de Ouro, no Festival de Berlim

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
France Presse Publicação:11/02/2014 16:24
'Praia do futuro' estreia em Berlim nesta terça (Alexandre Ermel/Divulgação)
'Praia do futuro' estreia em Berlim nesta terça

Berlim - Ter a coragem do recomeçar do zero em um novo país é o tema central do filme brasileiro Praia do futuro, de Karim Ainouz, exibido nesta terça-feira (11/2) na disputa pelo Urso de Ouro do Festival de Berlim. Ainouz imaginou uma nostálgica história sobre o desafio de abandonar as belas praias de Fortaleza, imigrar para a Alemanha e começar uma vida nova.

Wagner Moura - que brilhou em Berlim com o vencedor do festival em 2008, Tropa de elite - vive Donato, um salva-vidas que um dia conhece Konrad, um turista alemão (Clemens Schick) em uma triste circunstância. As fortes correntes da Praia do Futuro arrastam um amigo de Konrad e Donato não consegue salvá-lo. Apesar da tragédia, dias depois Donato e Konrad iniciam uma tórrida história de amor.

Para Wagner Moura, a homossexualidade não é o tema central do filme. "A relação homossexual é um componente, não é o tema principal. No Brasil, a homossexualidade é condenada. Há muitos preconceitos e repressão. Queríamos mostrar acima de tudo que os homossexuais são gente normal. Para mim, o componente é político: temos uma responsabilidade e devemos assumi-la", afirmou.

Donato deixa a mãe e o irmão mais novo Ayrton em Fortaleza para viajar a Berlim com Konrad, que é mecânico de motocicletas. Ele chegam à capital alemã e lá vivem uma espécie de lua de mel.

Wagner conta que passou dois meses em Berlim se preparando para o filme. "A pessoa vem de um lugar e tem de se reinventar, isso forja o caráter. Viver em Berlim me preparou para o papel", explicou.

Já Ainouz, que vive há anos na Alemanha, falou do medo de Donato em deixar o Brasil e de sua coragem de ir para a Alemanha com seu amante.

"O medo pode te paralisar, é a coragem que nos impulsiona a fazer coisas. Me interessava mostrar em Donato como ele supera o medo para ir viver em um lugar pouco acolhedor", explicou, admitindo que se inspirou no filme "Todos se chamam Ali", do diretor alemão Rainer Werner Fassbinder.

"Admiro muito o Fassbinder e esse filme me ajudou muito. Costumo assisti-lo toda vez que me sinto desorientado. O sentimento de estar fora de lugar, a alienação, é o tema do filme", afirmou.

"Estar em um contexto hostil nos liberta do passado. A viagem de Donato do Brasil à Alemanha o liberta", disse ainda Karim Ainouz, acrescentando que seu filme foi feito "com o coração".

Wagner Moura concorda com seu diretor e acrescenta que a imigração é "como uma questão existencial, um novo arranque, a coragem de se reinventar".

"Não se pode falar de coragem sem falar de medo, como disse Karim. É preciso rejeitar o passado, deixá-lo para trás", afirmou o ator.

No entanto, esse passado volta quando o irmão de Donato, Ayrton, chega a Berlim aborrecido por ter sido abandonado com a mãe.

O ator alemão Clemens Schick, por sua vez, aprendeu português durante os dois meses de preparação e os três de filmagem.

Karim Ainouz não usou música brasileira em seu filme. Entre outras canções, ouve-se "Heroes", de David Bowie, e "Aline", do francês Christophe.

"A música é algo físico para mim, tenho uma relação intuitiva com a música, aguça minha imaginação e queria compartilhar isso com o espectador, uma vez que adoro essas canções", explicou.

Ainouz reconheceu, no entanto, que "existe um estereótipo do brasileiro, sempre ligado ao carnaval e ao samba". "Mas o ser humano é complexo, surpreendente e cheio de contradições".

O jovem ator Jesuíta Barboza, que interpreta Ayrton - em homenagem ao piloto Fórmula 1 Ayrton Senna, segundo o diretor -, disse que tentou se livrar de todas as raízes para viver seu papel.

"Ficar sozinho durante 15 dias em um hotel de Berlim e ter vivido a separação de meu pai me ajudaram a construir a personagem", declarou.

Por fim, indagado sobre se o sucesso subiu à cabeça, Wagner Moura negou categoricamente.

"Tenho os mesmos amigos de sempre. O sucesso é inventado pelos meios de comunicação. Eu tento viver à parte disso", concluiu.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES