Brasília-DF,
18/DEZ/2017

Estrelado por Russell Crowe, Noé não empolga por apresentar ritmo lento

Contrastes de ambientes e de acabamento de imagens ficam patentes no filme que coloca o protagonista em intrigante contato com o dito Criador

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:04/04/2014 06:00
Entre temas como compaixão e sonhos proféticos, a reconciliação acaba sendo o principal no longa (Paramount Pictures/Divulgação)
Entre temas como compaixão e sonhos proféticos, a reconciliação acaba sendo o principal no longa

Sabe quando as credenciais de um artista se sobrepõem ao resultado do que ele apresenta? Sabe mesmo? Pois bem, então Noé — na verdade, nunca representado com a devida atenção no cinema — é o tipo de filme que você já viu. Lembrado pela pontuação radical de filmes como Cisne negro e Réquiem para um sonho, Darren Aronovsky chega a um extremo, ofertando duplo combo, num mesmo filme: primeiro, uma aventura (com direito a guardiões feitos de pedra que clamam pelo apelido de Transformers) e, em seguida, vem o compromisso com a cabal contemplação, num marasmo de proporções bíblicas.

Saiba mais...
No fundo, Noé traz uma trama de reconciliação. Contrastes de ambientes e de acabamento de imagens ficam patentes no filme que coloca o protagonista em intrigante contato com o dito Criador. Verdade que figuram elementos como compaixão, sonhos proféticos recorrentes e exuberância da natureza (momentânea, já que os animais ficam inanimados, por hibernação).

Mas o ritmo do filme fica aquém. Dono de um senso bélico (e comprometido na criação de armamentos), Tubal Caim (Ray Winstone) surpreende ao dar as caras, num contraste à retidão da linhagem de Noé (Russell Crowe) — leia-se, os varões Sem (Douglas Booth), Cam (Logan Lerman, o Percy Jackson do cinema) e Jafé (Leo Carroll).


Na melhor corrente do goste ou não suporte, Noé se vale de roteiro do diretor, apoiado por Ari Handel (do intenso A fonte da vida). Pouco complacente, o personagem central de Russell Crowe deixa aparente a torrencial convicção do mesmo intérprete de Javert (em Os miseráveis) e de Maximus (Gladiador). Com um fardo incalculável (da construção da descomunal arca aos embates domésticos, na criação dos filhos), Noé tem uma mudança exageradamente abrupta, ao fim da jornada em que pesam até traços de vingança. Estilizado, o dilúvio impressiona, mas representa menos do que um breve afresco em que Aronofsky expõe as almas impedidas, aos gritos, de entrarem na barca.

Três perguntas para Russell Crowe

Noé proporcionou vários reencontros do astro Russell Crowe com atores com os quais partilhou outro set. Logan Lerman, por exemplo, surpreendeu o ator, já adulto em relação ao faroeste Os indomáveis (2007). Depois de 22 anos, a parceria com Anthony Hopkins, que interpreta Matusalém, se repete. Caso especial foi o reencontro com Jennifer Connelly: “Já havíamos criado uma intimidade, em Uma mente brilhante (2001)”.

Como foi o encontro com o papa?

Dado o grau de controvérsia atrelado ao filme, ao longo de um ano, o fato de o papa nos receber foi um gesto de gentileza e de coerência. Foi um grande privilégio ter sido convidado para o encontro.

O que o fator religioso agregou ao personagem?

Quando comecei o processo do filme, não tinha o atual conhecimento sobre a figura do personagem. Tinha até uma percepção limitada. As pessoas normalmente levam a imagem criada pelos livros infantis. Não penetrei na perspectiva religiosa, de imediato, mas nos aspectos sombrios. Depois é que vieram os traços religiosos. Foram quase 40 dias sob chuva do dilúvio bíblico. Essa experiência me transportava para um nível transcendental, ao cair das primeiras gotas, mas aquilo tomava a proporção de fogos de artifício e voltava à ação.

Qual a sua conexão com animais?

O combo é muito raro: você tem Darren Aronofsky (o diretor), que é vegetariano, e você tem a mim — alguém que cria gado (risos). Vejo que tendemos a não tratar os animais que se transformarão na nossa comida com o devido respeito. A carne livre de adrenalina é muito melhor. No exame da maneira com a qual tratamos os animais temos certo reflexo do andamento da nossa sociedade.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.
Ricardo 07 de Abril às 13:11

Sinceramente, o filme é ótimo. A tecnologia 3D ficou boa também. Os atores deram um show de interpretação. A história é envolvente e edificante, você nem percebe que o filme dura mais de 2 horas.

[Denunciar]
Aline Feitosa 07 de Abril às 09:13

Quem conhece a Bíblia vai ver que esse filme pode ser tudo, menos bíblico!

[Denunciar]
Wayne Camara 06 de Abril às 18:20

Como muito bem colocado, o colunista só criticou! E, por sinal, uma crítica muito prolixa. Difícil até de entender qual o seu ponto de vista ou o que ele gostaria de expressar. O filme não é tão bom, mas esta coluna ficou bem pior...

[Denunciar]
VAN SOUSA 04 de Abril às 15:10

Realmente, para um crítico, você só criticou mesmo....ver o Filme Noé - sendo ele ainda Bíblico ??!!- não deu nenhum ponto positivo...e foi ainda mais triste o comentário....DITO CRIADOR!!!...afff. procure ver tudo de bom que tem no Filme...

[Denunciar]

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES