Brasília-DF,
23/AGO/2017

Filme mexicano 'Heli' é considerado um dos mais violentos do ano

Premiado em Cannes, a maneira como a violência surge no longa-metragem eleva a tensão a um nível de filme de terror

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Diário de Pernambuco Publicação:03/07/2014 09:24Atualização:03/07/2014 12:13
No filme, uma menina de 12 anos namora com traficante cinco anos mais velho (Reprodução/Youtube)
No filme, uma menina de 12 anos namora com traficante cinco anos mais velho

Extremamente violento e brutalmente realista, o filme mexicano Heli choca o espectador com sua crítica social direcionada para a absurda opressão provocada pelo narcotráfico sobre a vida de pessoas inocentes.

O mundo retratado é desesperador desde o início, mas esse inferno torna-se cada vez mais cruel à medida em que o drama avança em direção a uma situação sem saídas, onde a polícia mostra-se parceira do crime. Uma das personagens principais, por exemplo, é uma menina de 12 anos de idade, namorada de um jovem traficante cinco anos mais velho que prepara-se para ser policial (em um treinamento temperado com vômito e fezes). Esse relacionamento põe em risco a segurança da família da garota de forma incontornável.

A agressividade está presente desde a primeira imagem, como um anúncio do pior que está por vir. O ritmo procura transmitir a calma da paisagem desértica, mas a sensação de lenta passagem de tempo é bruscamente acelerada diante do impacto dos desdobramentos vividos pelo protagonista. Cachimbos de crack convivem com videogames e adolescentes participam de sessões de tortura como rituais de aprendizado.



A sensação de realidade é realçada pelo trabalho dos atores, que não parecem interpretar, como se fizessem parte daquele universo. Os diálogos são soltos e coloquiais, informais. A caracterização visual dos ambientes também atinge uma verossimilhança mais associada a documentários. Tudo isso direcionaria para um tipo de cinema mais contemplativo, mas a maneira como a violência surge eleva a tensão a um nível de filme de terror.

Com seu estilo cru e direto, o cineasta Amat Escalante ganhou o prêmio de melhor direção no Festival de Cannes, onde concorreu com nomes consagrados como Roman Polanski, Irmãos Coen, Jim Jarmusch e Paolo Sorrentino (com A grande beleza).

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES