Brasília-DF,
16/DEZ/2017

Crítica: Terror Exorcistas do Vaticano não deixa sua marca

O longa-metragem mostra roteiro e artifícios pouco originais

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Anna Beatriz Lisbôa - Especial para o Correio Publicação:21/08/2015 07:34Atualização:20/08/2015 19:22

 (Diamond Films/Divulgação)

Com um título genérico, Exorcistas do Vaticano (não confundir com Exorcismo no Vaticano, lançado em 2013), não se esforça para deixar sua marca.

 

A morosa e pouco original história da jovem que, de repente, é possuída por forças malignas não tem nada da energia que guia a ação frenética de Adrenalina, longa também assinado por Mark Neveldine.

 

Da endemoniada Angela (Olivia Taylor Dudley) sabemos pouco: apenas que vive com o namorado e tem um pai dominador. Antes de o mal entrar em ação, o filme se concentra no conflito entre essas duas figuras masculinas.

O pai é interpretado por Dougray Scott, vilão de Missão: Impossível 2 (2000) e o príncipe de Para sempre Cinderela (1998).

O já batido artifício das gravações caseiras não faz diferença na história banal sobre espíritos que aborrecem mais do que assustam.

 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES