Brasília-DF,
22/AGO/2017

Anti-herói 'Deadpool' rompe com formato tradicional da Marvel

Ryan Reynolds coloca todo seu carisma e senso de humor no maior papel da carreira

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:12/02/2016 07:00
Deadpool: uma trama além dos padrões da Marvel (Fox Filmes)
Deadpool: uma trama além dos padrões da Marvel

Quem curte virada de página, independentemente de ser a de um gibi da Marvel adaptado para cinema, tem bastante para gostar, no filme do diretor estreante Tim Miller. Sem vícios ou muletas legitimadas a cada adaptação de super-herói, que normalmente colocam foco no protagonista em crise, seu passado obscuro e afins, Deadpool transborda fuga de convenções. O protagonista se apresenta, na base da inversão, como “Pool, Dead”. Claro que ele se acha “super”, mas não quer confundido como herói.
 
 
Com humor aparentado ao de Kick-Ass, aplicado em ironia e deboche, o filme coloca Deadpool vestido de vermelho, para disfarçar o sangue, enquanto medo e incontinência levam alguns dos vilões a trajarem marrom. Sem reservas, a violência da ação é explícita, com revelação gráfica de miolos estourados e balas alojadas em lugares indizíveis. Mercenário, Wade Wilson (a verdadeira identidade de Deadpool) foi diagnosticado com câncer, passando, à revelia, por tratamento que lhe traz poderes inimagináveis. Como ônus, porém, ele receberá feições deformadas. O ex-agente Wade acalenta planos de vingança nada previsíveis.

Piadas

Agitado e falastrão, Deadpool é objetivo até a última potência. Quando alguém pergunta sobre “seu botão” do liga e desliga, ele não titubeia: “Fica perto da próstata”. A acidez do roteiro assinado por Rhett Reese e Paul Wernick (de Zumbilândia) agrupa uma série de piadas pop que sugerem trabalhos de Liam Neeson. Humor que também marca a trajetória profissional de Ryan Reynolds (justo o intérprete de Deadpool, talhado para o papel). O próprio fracasso de Reynolds com o filme Lanterna verde rende humor.
 
No quesito música, Deadpool tem jukebox afinada: desfilam de Hit the road Jack até You´re the inspiration, sem esquecer Carless whisper, tudo corroborando para apoteose. Ágil, a edição de Julian Clarke (de Distrito 9) dá fôlego extra para os combates (do qual tomam parte tipos saídos dos X-Men, como Colossus e Míssil Adolescente Megassônico). Ah, sim!, há um pano de fundo de romance com a brasileira Morena Baccarin, que dá vida à ex-prostituta Vanessa. Mas, o que prevalece é o casamento com o riso, como na cena em que, mutilado no rosto, Deadpool ganha comparativo com “uma transa, com ódio, entre dois abacates”.

Confira as sessões para Deadpool aqui.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES