Brasília-DF,
23/JUN/2017

Porta dos Fundos estreia nos cinemas com 'Contrato vitalício'

A comédia conta com participação de Marília Gabriela e Sérgio Mallandro

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:01/07/2016 06:30Atualização:01/07/2016 13:52

 

Premiação dá a largada para confusões dos protagonistas (Rachel Tanugi Ribas/Divulgação)
Premiação dá a largada para confusões dos protagonistas

 

"Um de nós está sempre na roubada do outro", sugestiona o personagem de Gregório Duvivier para o tipo desnorteado de Fabio Porchat, quase num alerta para a trama de Contrato vitalício. Gerido por muito tempo, natural que o longa do grupo Porta dos Fundos carregasse supra expectativa e que, infelizmente, não se confirma na telona.

 

O longa é genuíno, mas o desenvolvimento dos personagens inexiste, numa trama indecisa na montagem. Há pertinente e feroz crítica, em muitos âmbitos -- o que vem a, ousadamente, jogar contra a empatia do público que pode vir a se reconhecer (e quem sabe, desgostar). Talvez a mais incisiva metáfora esteja em, ao tratar dos bastidores de cinema nacional, mostrar um filme que patina, sem se formular -- a exemplo da comédia que não se concretiza, por um roteiro blocado.

 

Dilmemas e posicionamentos dos personagens não avançam. Na identidade do Porta, a piada meio sussurrada, ou aquelas em que os atores divertem-se com a impostação de voz sabotada,  fica perdida na falta de entendimento (pela distância do microfone), especialmente no começo bem moroso da fita. O impasse do filme -- apostar em humor escrachado ou amenizar o tom -- está palpável já na trama em que dois parceiros do audiovisual (Porchat e Duvivier) investem a carreira no prestigiado terreno do Festival de Cannes.

 

 

 

Piadas grotescas encontram a graça infalível do timing de Duvivier e, mesmo óbvio, o personagem de Marcos Veras (um ativista da mídia multifacetada) é bem divertido. Num certo termo, os humoristas se aproximam da crônica humorada num andamento aos moldes de Hugo Carvana. Nisso, tomam conta da trama personagens como a idiotizada aspirante a celebridade (que não vive a vida, preferindo dar corda aos seguidores de mundo virtual) e o detetive que chafurda em passados (e apaga vidas), a cargo do excelente Antônio Tabet.

 

No que melhor exploram, os humoristas direcionam fofas farpas para Luciano Huck (um "pai ausente" que prefere "consertar carro de pobre") e para os rudimentares métodos de preparação de elenco (em citação imediata à Fátima Toledo) , com ferramentas de agressão canalizadas pelo ator Paulo, numa ótima dobradinha entre Júlia Rabello e Rafael Portugal.

 

Quem rouba a cena, no filme de bastidores, é o espalhafatoso tipo feito por Luis Lobianco (que capta a futilidade de muitos profissionais do meio artístico). Numa travessia difícil para o cinema, porém, a porta
fica apenas entreaberta. Muito mais eloquentes, os integrantes ficam é no computador, em que sempre nos pegam desprevenidos, sem pretensões embutidas numa telona de cinema.

 

Para conferir as sessões de Contrato vitalício, clique aqui

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES