Brasília-DF,
23/JUN/2017

'A lenda de Tarzan' mostra devoção à natureza e resgata aspectos clássicos

Novo filme do Rei da Selva não traz maiores desafios ao talento de Alexander Skarsgard

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:22/07/2016 06:00Atualização:21/07/2016 14:39
Romance entre Jane e Tarzan não decola na nova aventura (Warner Bros/Divulgação)
Romance entre Jane e Tarzan não decola na nova aventura

Num misto de aventuras à moda de Tudo por uma esmeralda (1984) e As minas do rei Salomão (1949), o mais recente filme de David Yates cumpre a promessa de uma sessão matutina, sem maiores efeitos — superada a carga de truques visuais, à mão do mesmo diretor que deu fim à saga de Harry Potter. Destacado como “filho preferido” da África onde teve como mãe uma macaca da imaginária espécie de gorilas magnani, o protagonista de A lenda de Tarzan não traz maiores desafios para o sueco Alexander Skarsgard (o Eric de True blood).
 
Em fins do século 19, já recolhido da criação selvagem, o lorde John Clayton (Skarsgard, na pele de um Tarzan retraído pelo impasse de viver rotina de grande cidade) se envolve num corre-corre que deriva de negociatas com exuberantes diamantes de Opar e avança sobre o senso de exploração de territórios coloniais africanos — no caso, do Congo Belga. Em princípio, no enredo pesa uma estética de embates assemelhados aos movimentos de 300, enquanto algo da pintura corporal faz lembrar imagens do mais novo Mad Max.
 
 
 
Até a entrada no roteiro da clássica tirada “Eu, Tarzan; você, Jane”, muita coisa cheira a tom solene. Levas de marfim são contabilizadas, em cena;  há críticas à construção de pródigas igrejas e escolas para servirem colônias; e ecoam cantorias africanas, contemplando o tal (e esperado) espírito da selva. Rituais de acasalamento e algum erotismo tão logo encontram brecha, saem de cena, para alargar o alcance de filme pipoca.
 
Calmo e sorridente e se repetindo num papel vencido, Christoph Waltz reclama a identidade do belga Leon Rom, enquanto Samuel L. Jackson retoma a verve inspirada e constante, na pele do tipo que alerta Tarzan quanto ao potencial de exploração instaurado pelos brancos.
  
Saiba os horários do filme em 2D e 3D.
 
Sem paralelo com a literatura do americano Rice Burroughs, Margot Robbie tem pouca luz na fita, na pele de uma chata Jane, orgulhosa, comedida e respondona. Politicamente correto, o filme ao menos imprime a devoção à força da natureza e tem momentos divertidos, como o exagero que envolve um crucifixo.


COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES