Brasília-DF,
20/SET/2017

Inspirado na cozinha italiana, restaurante Pepe Nero abrirá no Lago Sul

Na cozinha, Matteo instalou selador a vácuo para a produção das pastas e equipamentos para confeitaria

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Liana Sabo Publicação:10/01/2014 06:12

Gianfranco (Matteo) Gianella aguarda a vinda do chef para abrir seu Pepe Nero no Lago Sul (Daniel Ferreira/CB/D.A Press)
Gianfranco (Matteo) Gianella aguarda a vinda do chef para abrir seu Pepe Nero no Lago Sul
 

Além da carne (assada ou grelhada), as massas frescas, secas e recheadas estão na predileção dos brasilienses, haja vista o número de restaurantes com pegada italiana que tem surgido nos últimos tempos. Sanfelice, Limoncello, Pecorino, Strogonoff à Parmegiana, Caponata, Piacere (abre em fevereiro) são uma prova de que a imagem sonhadora e gulosa de que a Itália é uma delícia está dentro de cada um de nós.

A próxima casa a abrir as portas fica na QI 9/11 do Lago Sul, um endereço bem conhecido dos gourmets. Depois de um arrendamento malsucedido, o ex-Cielo e ex-Barolo foi parar nas mãos de Gianfranco Giannella, de 46 anos, que, ao chegar em Salvador, em 1999, ganhou o apelido Matteo, nome do personagem de Thiago Lacerda na novela Terra nostra. “Os baianos acharam difícil guardar o meu nome”, explica o italiano, nascido na Emilia Romagna.

Matteo escolheu a Bahia por causa do mar. Lá, ele foi dono de uma pousada por cinco anos. “Eu ia buscar o turista no aeroporto e preparava a comida de todas as refeições, até que conheci uma mocinha bonita, pensando que era baiana. Descobri que era brasiliense”, conta o italiano, que vendeu tudo e veio com a mulher, Patrícia, para o Planalto Central. Aqui, os dois abriram o Pasta e Fagioli, com pratos brasileiros, massas italianas e saladas montadas na hora, que funcionou somente no almoço, de segunda a sexta, no térreo do edifício Financial Center, no Setor Bancário Sul. Com a mesma equipe, a proposta continua sendo posta em prática no mesmo endereço, mas com o nome de Caponata, dado pelos novos proprietários.

Ambição gastronômica

“Eu não tinha tempo de dar atenção ao cliente”, diz Matteo, ao justificar a troca do pequeno restô por um de tamanho médio, que batizou como Pepe Nero. Ele aproveitou a nova disposição do balcão e da adega, forrou as paredes e decorou com fotos de sua terra natal. Uma delas traz a pietra di Bismantova, formação rochosa achatada no cume, com mil metros de altura, que Dante Alighieri citou na primeira parte de sua Divina Comedia. Outra imagem é um imenso painel com uma vista rural do centro da Itália.

Na cozinha, Matteo instalou selador a vácuo para a produção das pastas e equipamentos para confeitaria. “Eu gosto de fazer comida benfeita”, diz ele, que aguarda a chegada do chef para abrir a casa. Com passagem em Paris e Dubai, virá a Brasília o chef italiano Julio Freschi, que é casado com uma brasileira. Ele foi recomendado pela família de Matteo, que é proprietária de dois restaurantes na Itália.

Quanto ao nome, não chega a ser original: há Pepe Neros em várias capitais, como São Paulo, Porto Alegre e Fortaleza. O mais famoso é o paulistano, que funciona num flat da avenida Jandira, em Moema, e serve pratos clássicos e cantineiros.

Tags: celular

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK