Brasília-DF,
26/SET/2021

Restaurante com menu espanhol ganha credibilidade na Capital Federal

Coluna Favas Contadas mostra como os brasilienses aderiram um estilo espanhol de comer

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Liana Sabo Publicação:20/11/2015 06:00Atualização:19/11/2015 17:35

 (André Dusek/Divulgação)
 

Pela atuação de Neymar, arrebentando no gramado; pelo movimento separatista da Espanha e pelo papel de vanguarda na gastronomia, a Catalunha está em alta no mundo inteiro. Inclusive em Brasília, onde o protagonismo catalão se dá em sua melhor expressão: no estilo de comer.


Quem nos brinda com a novidade é a catarinense Simone Garcia, que acaba de abrir um bar de tapas na 109 Norte (Bl. D, loja de frente para o jardim). Chama-se Jamón Jamón Tapas y Copas e pratica um cardápio enxuto, oferecido de terça a sexta-feira, das 18h à 0h. Sábado, ao meio-dia, a casa serve somente paella e fideos (macarrõezinhos tostados no azeite e cozidos em caldo de frutos do mar) até as 16h e, das 19h à 0h, volta com o menu de tapas.

Formação
Foi um doutorado em Novas Tecnologias da Comunicação, na Universidade de Barcelona, que aproximou a aluna brasileira da cozinha espanhola. Para custear seus estudos, Simone trabalhou em bares e restaurantes da cidade durante 3 dos 15 anos que viveu lá.
“Mesmo sem ter intenções profissionais na época, dedicava minhas férias para estudar gastronomia nos cursos de verão da Escola de Restauración de Barcelona e viajar pelo país para conhecer cada vez mais a cozinha espanhola”, conta.

Na vitrine
Os amantes do “tapeo”, hábito de toda a nação espanhola que inclui também os pintxos (pequenos petiscos no palito típicos do País Basco), vão encontrar no novo bar as iguarias feitas com produtos locais e frescos, além dos importados. Para saber quais são as tapas e os pintxos do dia, o cliente terá de perguntar ao garçom ou conferir a vitrine.


São destaques desta primeira temporada o jamón ibérico Pata Negra (R$ 45), o queijo Manchego de ovelha (R$ 33), a tortilla espanhola (R$ 21), as lulas de Santa Catarina ao vinho branco com cebolas caramelizadas (R$ 30), os pimentos del piquillo (pimentões bascos recheados com bacalhau), os huevos rotos (ovos caipiras) com chouriço espanhol ou com batatas fritas caseiras e cogumelos (R$ 32) e o tumbet de Maiorca (vegetais confitados no azeite servidos com carne suína).


Preparada com o tinto Tempranillo, Grand Marnier triple sec, vermute, suco de laranja, limão-siciliano, ameixa e maçã-verde, conforme receita típica da Costa Brava, a sangria é outro must da casa. Sai por R$ 68, a jarra ou R$ 38, meia jarra.

A origem

 (André Dusek/Divulgação)

Definidas como pequenas porções de comida servidas a qualquer hora do dia, especialmente para acompanhar a bebida, as tapas têm origem na Andaluzia antiga. A palavra significa tampa, identificava uma pequena fatia de pão com a qual os andaluzes cobriam o copo de vinho para as moscas não entrarem.


Mais tarde, o pão servido graciosamente foi substituído por outros tira-gostos e aí se instalou a competição. Os bares começaram a diversificar o serviço, que passou a ser cobrado. Por isso uma infinidade de receitas fazem parte da cozinha espanhola, a ponto de o governo ter criado a 22 de outubro o Dia Mundial da Tapa, que foi comemorado em 17 países, inclusive no Brasil, onde participaram do evento 14 estabelecimentos de São Paulo.


Mesmo sem estrear na imprensa, o tapas-bar, como define Simone, já está bombando e virou reduto de jornalistas, como outros points da cidade, devido à interação dos proprietários com as redações. Renomado fotógrafo da sucursal de O Estado de São Paulo, André Dusek — sócio e marido da chef —, que assina as fotos da coluna e auxilia no atendimento ao público quando o movimento é intenso. Telefone: 3032-2595.

Delícias no jardim

 (Navi Comunicação/Divulgação)

Até parece que a Espanha se mudou para Brasília. Durante toda a semana, cozinhou na cidade o chef Antonio Botana, que atua no restaurante Pandemonium, em Pontevedra, na Galícia. Especialista em pescados, especialmente polvo, que é um ícone galego, Botano ensinou sua arte dentro da programação da Segunda Semana de Estudos e Pesquisas da Gastronomia Espanhola, promovida pelo Senac e pelo Instituto Cervantes.


Amanhã, como acontece no terceiro sábado do mês, o restaurante Fortunello organiza um mercadinho no jardim dentro da 206 Sul. Fiel à pegada da casa, o cardápio traz montaditos e tapas de diversos sabores. Para refrescar, haverá drinques, cerveja artesanal Corina, além do vinho tinto com o rótulo da casa.


Durante oito horas (das 12h às 20h), o mercado, que está em sua terceira versão, oferecerá também as geleias da Renata Mandelli, chutneys e azeites aromatizados com ervas da grife Dona Osmá, pão de mel, artesanato e brinquedos para distrair a criançada.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK