Brasília-DF,
16/DEZ/2017

Aprecie sugestões de pratos natalinos criados por oito chefs da capital

Saiba quais são as opções gastronômicas que se encaixam em todo tipo de orçamento. Dá para servir uma ceia próspera mesmo em tempos de economia fraca

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Rebeca Oliveira Publicação:18/12/2015 06:00Atualização:17/12/2015 19:24

 (Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
 

 

As festas natalinas exigem preparo dos anfitriões. Em tempos de inflação alta, a palavra economia faz todo o sentido.
Esta semana, o Divirta-se Mais convidou oito chefs para montar uma ceia de Natal prática, econômica e rápida. Nenhum prato sai por mais de R$ 120.


Os profissionais garantem que não é preciso ser nenhum chef experiente para pôr em prática as receitas assinadas por eles.
Marcelo Petrarca, do Bloco C, optou pela paleta de cordeiro, corte sofisticado servido com acompanhamento mais em conta: tomates assados no mel. “Mesmo no Natal, tenho preferência por combinações aparentemente simples, mas que conquistam pelo sabor. A vida de todo mundo já é muito corrida. Na cozinha, precisamos simplificar”, acredita o chef.


Anfitriões interessados no bem servir devem ter apenas uma preocupação: montar um cardápio flexível. Nas contas do IBGE, quase 10% da população brasileira são vegetarianos. Para eles, Myriam Carvalho, do Norton Grill e da Cantina Sanfelice, sugere o delicado ravióli de brie e damasco. “Muita gente só pensa em salada como receitas vegetariana, mas a massa é igualmente versátil”, acredita.


Para reproduzir os preparos em casa, confira o passo a passo de cada um deles em nosso site. Agora, é só pôr a mão na massa! Mais que o bem-estar das finanças, faça deste momento uma oportunidade ímpar de reunir amigos e familiares ao redor do fogão.

Agradecimento: Marché Festas (CasaPark, piso térreo, mezanino; 3526-4991), aberto de segunda a sábado, das 10h às 21h.


Ele, o bacalhau

 (Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Poucas matérias-primas combinam tanto com pratos de fim de ano quanto o bacalhau. O peixe é perfeito para uma comemoração, mas pode custar caro por causa da grande procura. Mas nem por isso é preciso abrir mão do pescado.
Para um couvert especial, a chef Renata Carvalho, do Loca como Tu Madre, usa bacalhau o desfiado, bem mais barato do que as postas altas. Ele marca presença no refogado de bacalhau com pimentões e tomates com pães, receita que será servida a partir de hoje até o fim de janeiro no bar, por R$ 34.


Um truque é valer-se de pedaços menores do bacalhau (ou lascas), mais fáceis de dessalgar e preparar. Para ressaltar o sabor do peixe, Renata insere também temperos como salsinha, pimenta-do-reino, cebolinha, alecrim, manjericão e hondashi (tempero oriental à base de peixe).

Custo estimado
R$ 20, por pessoa


Entrada versátil

 (Fotos: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

É comum ver receitas natalinas inspiradas em lembranças afetivas dos chefs que as criaram. Foi o que aconteceu quando, ao receber o convite do Divirta-se Mais, Thiago Brandão, gastrônomo e professor de tecnologia dos alimentos do Iesb, para que lançasse mão de uma entrada que relembra jantares em família.


Cozinheiro “desde criancinha”, como gosta de se definir, Thiago elaborou minitortas que, segundo ele, têm por marca registrada a versatilidade. “Elas podem vir recheadas com o que se tem em casa”, garante. Para o Natal, ele sugere pernil, queijo do reino e chutney de manga fresco.


“Optei pela manga porque ela não precisa ser comprada em supermercado. Como está em alta, pode ser colhida nas mangueiras espalhadas pelos jardins da capital”, sugere, como alternativa que diminui os gastos com a já acessível receita.
O pulo do gato do chef é deixar a fruta cortada em cubinhos marinando nas especiarias por pelo menos duas horas, para apurar sabores antes de rechearem as simpáticas tortinhas. A receita ainda pode se transformar em sobremesas com a troca de recheios salgados por doces.

Custo estimado
R$ 4, por unidade


Um bom petisco

 (Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Nascido na França, Tonico Lichtsztejn, do bar e restaurante 400 Quatrocentos, acredita nos preceitos do movimento Slow Food, que aposta em ingredientes locais.


“Trabalho com pimenta-de-macaco, mangaba e outros ingredientes típicos do cerrado”, pontua.
Para o período de festas, o chef elaborou um croquete cremoso de tender empanado com baru e frutas secas, tira-gosto que pode ser combinado a cerveja especial (uma IPA cairia bem, sugere Tonico) ou um vinho branco ou tinto suave.


À mesa, o petisco é servido com chutney de abacaxi, feito à base de geleia da empresa brasiliense Cornucópia.
A farinha que recobre todo o croquete também carrega um precioso segredo: “Piquei a capa do tender em quadradinhos minúsculos. Misturei com farinha de rosca, castanha e frutas secas e fiz a mistura na qual o bolinho é empanado”, afirma.


Uma dica para encontrar castanha de baru com preço mais em conta é fugir das gôndolas dos supermercados e investir no pequeno produtor. “Consigo nas feiras livres e com o pessoal da Central do Cerrado. Sai pela metade do preço”, ensina.

 

Custo estimado
R$ 1, por unidade


Requintado, mas acessível

 (Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Algo entre o contemporâneo e o comfort food. Um meio-termo entre sofisticação e simplicidade. Marcelo Petrarca, do Bloco C, se diz disposto a casar conceitos que, até então, pareciam andar distantes.
A pedido do Divirta-se Mais, o chef elaborou, aliando economia e requinte, uma sugestão de prato principal para a ceia de Natal: paleta de cordeiro servida com tomates assados no mel.


“Os leitores perceberão, ao reproduzir a receita, que esse prato não tem nenhum mistério. Quero conquistá-los pelo sabor. Não anseio por complexidade ou que tenham dificuldade em entendê-lo”, afirma.
Ele acrescenta que, durante o mês de dezembro, o Bloco C se rendeu aos sabores natalinos. Essa inspiração aparece em pratos como o lombo de cordeiro com purê de maçã (R$ 82).


Petrarca comprova a intimidade com os sabores adocicados em criações recentes, caso da rabanada reinventada por ele nos sabores leite ninho, doce de leite e chocolate, feitas sob encomenda.

Custo estimado
R$ 120, por porção, que serve 3 pessoas


Inspiração na Ação de Graças americana

 (Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Nos estados unidos, há um feriado que compete em representatividade com o Natal. Comemorado na 4ª quinta-feira do mês de novembro, o Thanksgiving, ou Dia de Ação de Graças, apresenta certas semelhanças com uma ceia natalina à brasileira, quando são saboreados peru e frutas secas, por exemplo.


O chef Paulo Tarso vivenciou a festa por anos enquanto estudava gastronomia na The Culinary Institute of America, em Nova York, reverenciada como a melhor faculdade gastronômica do mundo. Por isso, para o Divirta-se Mais, arquitetou um prato que une preferências nacionais aos costumes dos glutões da terra do Tio Sam.


A receita idealizada por ele é um lombo suíno recheado com cebola, cenoura, salsão e bacon. Marinada por 10 horas com mel, salsinha e pimenta-do-reino, a carne é escoltada por purê de maçãs. Para completar a apresentação, é servido com batatas, brócolis, cenoura e cebolas assados no sal grosso e alecrim.


“No Brasil, temos o hábito de misturar vários carboidratos no mesmo prato. Lá fora, aprendi a mesclar os nutrientes. Trago uma fonte de proteína, uma de carboidrato e vários tipos de verduras. Sabendo trabalhar com elas e com legumes, o comensal vai perceber uma bela economia na cozinha”, acredita.

 

Custo estimado

$ 60, para quatro pessoas


A vez dos suínos


No ano passado, foram produzidos mais de 3 milhões de quilos de carne suína no mercado brasileiro. Os dados são da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos. Apesar de parecer muito, esse tipo de carne ainda é a terceira em consumo no país, atrás do frango e do boi. No Natal e no ano-novo, por questões culturais, a demanda aumenta, deixando o foco em cortes por vezes esquecidos no restante do ano, como pernil e lombo. Uma maneira de diminuir o preconceito com os suínos, tão saborosos — e, a depender do corte, magros — como os concorrentes de porteira.

Primoroso e sem carne

 (Fotos: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Vegetarianos não ficam órfãos de opções na ceia do Divirta-se MaisRavióli de queijo brie e damasco (R$ 57), disponível até 2 de janeiro no cardápio do Norton Grill, é a delicada proposta da chef Myriam Carvalho.
“Pensei em uma massa que tivesse ingredientes natalinos e o damasco que, apesar de ser um pouquinho mais caro, é muito usado no Natal e no ano-novo”, comenta Myriam.


A massa aparece, também, na Cantina Sanfelice. Por lá, é vendida para entrega em domicílio a R$ 39 (500g).
A massa pode tornar-se mais barata com a substituição do brie por outros queijos, como o gorgonzola e o provolone, embora Myriam ressalte: já é possível comprar queijo do tipo brie nacional por R$ 30, o quilo. “Não precisa ser um francês importado. Basta ter um queijo salgado e marcante”, recomenda.


O damasco, por sua vez, pode dar lugar à pera ralada e levada ao fogo para caramelar. Nesse caso, sirva a massa fresca, evitando congelá-la para comer no dia seguinte.

Custo estimado
R$ 20, o quilo


Doce encerramento

 (Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Depois de tanto cortar, picar e assar, certamente há quem desanime no preparo da sobremesa. No entanto, ela não precisa ser mirabolante e exigir horas em meio a batedeiras e banhos-maria. O melhor: a depender da apresentação, o doce encerramento da ceia serve também como pequena lembrança do jantar natalino.


Bom exemplo recai sobre o fudge de chocolate com amêndoas (R$ 5,50), da Dulce Patagonia, marca brasiliense capitaneada por Mirella Montella e Cristobál Chait. “É uma receita simples que não pede fogo e fogão”, comenta Mirella.
De textura macia, o doce de origem britânica é comum em países como EUA e Austrália. O fudge da Dulce Patagonia leva doce de leite argentino, que pode dar espaço ao primo mineiro sem prejuízo à receita.
Já as amêndoas dão o tom sofisticado que ocasiões como o Natal pedem. Em feiras, como a do Guará, costumam ser mais baratas.

Custo estimado
R$ 5,50 por unidade


Um brinde a 2016!

 (Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Para carlos joel, barman do Primeiro Cozinha de Bar, a elaboração de um coquetel natalino pode ser mais simples do que se imagina. A matéria-prima necessária, muitas vezes, não custa quase nada.


Por exemplo: para montar um clericot, bebida à base de espumante, soda, licor de laranja e frutas, dá para utilizar “o que estiver à mão”. No Primeiro, ele sai por R$ 19,90. Em casa, esse valor cai bastante.
“Fiz com uva, maçã e kiwi. Mas, como muita gente usa frutas para decorar a mesa, recomendo que reserve um pouco para fazer a bebida”, ensina.


Na hora de escolher o espumante, selecione um bom rótulo nacional, item cada vez mais comum — e acessível — nas gôndolas brasileiras.
Joel optou pela Terra Nova Blanc de Blanc, que custa em média R$ 20, a garrafa. O licor sai pelo mesmo preço, mas, depois, pode compor outras bebidas, como a margarita e o aperol spritz.

Custo estimado
R$ 5, por taça


ONDE COMER


400 Quatrocentos

(410 Norte, Bl. E, lj. 8; 8146-0610), aberto de terça a domingo, das 17h à 0h.

Bloco C
(211 Sul, bloco C, loja 17; 3363-3062), aberto de segunda a quinta, das 12h às 15h30; e das 19h30 à 0h, sexta, das 12h às 15h30, e das 19h à 1h; e sábado, das 12h às 16h, e das 19h à 1h.
Cantina Sanfelice
(Encomendas pelo telefone 3702-0100 ou 9872-0100 ou pelo e-mail pedidos@nova eradistribuidora.com.br), aberto de segunda a sábado, das 9h às 16h.

Dulce Patagonia
(Pátio Brasil, Piso lazer; 3967-3008), aberto de segunda a sábado, das 10h às 22h; e domingo, das 14h às 20h. (309 Norte, Bl. C, lj. 28, subsolo; 3967-3008), aberto de segunda a sexta, das 9h às 19h; e sábado, das 9h30 às 15h30.
Loca Como Tu Madre
(306 Sul, Bl. C, lj. 36; 3244-5828), aberto de segunda a quarta, das 12h às 15h, e das 18h à 0h; quinta, das 12h às 15h, e das 19h à 0h; sexta, das 12h às 15h, e das 19h à 1h; sábado, das 12h às 15h, e das 19h às 2h.

 

Norton Grill
(Hotel Meliá Brasil 21, SHS, Q. 6, Bl. D; 3218.5550), aberto de segunda a sexta, das 6h às 10h, das 12h às 15h, e das 19h à 0h; sábado e domingo, das 6h às 10:30h, das 12h às 16h, e das 19h à 0h.
Paulo Tarso
(contato@chefpaulotarso.com ou www.chefpaulotarso.com), aulas de segunda a sexta, das 19h às 23h. Próxima turma com início em 11/1.


Primeiro Cozinha de Bar

(SIG Q. 8, lt. 2385; 3028-1331), aberto de segunda a quinta, das 17h às 2h; de sexta a sábado, das 12h às 2h; e domingo, das 12h à 0h; (Rua das Paineiras, lote 6, lj 1, Águas Claras; 3028-4366), aberto de terça a sexta, das 17h às 2h; sábado e domingo, das 12h às 2h.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK