Brasília-DF,
26/JUL/2017

Descubra qual o seu perfil gastronômico no carnaval

Com trilhas do rock ao axé, bares e restaurantes, investem em atrações para todos os públicos

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Rebeca Oliveira Renata Rios Publicação:24/02/2017 06:00Atualização:24/02/2017 08:38
Drinque e petiscos prometem deixar boêmios felizes no Sossega Madalena (Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
Drinque e petiscos prometem deixar boêmios felizes no Sossega Madalena

Na hora de curtir e de comer, cada folião tem um estilo. O Divirta-se Mais encontrou um lugar adequado para os tipos mais comuns de perfis carnavalescos. Descubra o seu!

O carnaval brasiliense mostrou que tem vida e já anda (pula, brinca) com as próprias pernas. Os espaços públicos da cidade foram tomados pela festa, com trilhas sonoras que vão do rock ao axé. Pegando carona nesse movimento, diversos bares, restaurantes e cafés investem em atrações musicais. Nessa toada se encaixam também o som mecânico de DJs e apresentações ao vivo como as que acontecem no Noah Eat Drink Fun, onde haverá programação especial para os dias de ziriguidum.
 
Com a mesma animação, o Delta Bar aparece com competições de beer pong, comuns nos Estados Unidos, país de onde o estabelecimento pegou emprestado alguns conceitos. A farra também pode ser democrática e agradar aos pequenos. No Resenha, um projeto voltado ao público mirim promete tirar de casa os baixinhos e, principalmente, os responsáveis por eles, ávidos por um happy hour sem preocupação.
 
Mesmo com dezenas de possibilidades, muita gente sonhou com os próximos quatro dias para tirar o atraso de sono e noites maldormidas. Se a ideia é fazer imersão na televisão ou no streaming, sugerimos deliveries espertos, como o frango frito do BFC, em tamanho que comporta toda a maratona de séries.
 
Quer chamar os amigos e fazer de sua casa um boteco? Tem até carne de lata à moda antiga cuja taxa de entrega é gratuita no Plano Piloto. Tome nota: a iniciativa é do Beco, bar boêmio da Asa Sul. Seja qual for a turma, o Divirta-se Mais tem uma sugestão.

Para esquentar o carnaval


Que tal apimentar esse carnaval? Essa é a aposta do Sossega Madalena. O bar sugere para os clientes degustarem o famoso tira-gosto do local, o esquenta Madalena (R$ 29,90) — uma deliciosa pimenta recheada com carne seca e queijo. Para escoltá-la, um tradicional molho de mostarda e mel traz um toque doce ao picante da pimenta.
 
“Essa pimenta tem um sabor bastante agradável. Ela tem as sementes e a polpa removidas e passa por quatro fervuras com açúcar e limão, o que ajuda a tirar o ardor”, garante o gerente do local, Cláudio Castro. Outra opção é o bolinho da Madalena (R$ 29,90), feito com massa de abóbora e recheado com carne seca. “Esse tira-gosto já tem um sabor mais adocicado, devido à abóbora”, explica.
 
Para os drinques, novamente o nome esquenta Madalena é usado no cardápio. Dessa vez, não pelo ardor, mas pela concentração alcoólica. A bebida, um shot com absinto, amarula e vodca, sai por R$ 19,90. “É uma combinação bem forte, para tomar de uma vez. Depois fica um gosto adocicado na boca, devido ao amarula”, promete Cláudio. Para quem prefere algo menos ousado, a sugestão é a caipirosca, vendida ao preço promocional de R$ 12,90.
 
Drinque Baratíssimo, do Tabuada Tábuas&Drinks, entrou na rota da edição de carnaval do Pub Crawl (Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Drinque Baratíssimo, do Tabuada Tábuas&Drinks, entrou na rota da edição de carnaval do Pub Crawl
 

Beber, cair e levantar 


Na festa do rei momo, é tempo de Pub Crawl. O evento que apresenta aos turistas e aos brasilienses a veia turística e boêmia da cidade terá edições nos quatro dias da folia com passeio por dois bares por noite, um bloquinho e ingresso de uma festa temática. A proposta é integrar a cena de entretenimento da cidade ao tour com guia bilíngue, segurança e glitter à vontade. Os ingressos são vendidos no site.
 
“Cada saída dura por volta de cinco horas. Queremos fomentar a cena noturna em Brasília. Temos três pilares, o primeiro é o tour pela cidade; o outro, uma preocupação social de evitar que o público beba e dirija; e por último, provocar novas experiências. Nosso lema é: você não vai se lembrar, mas também nunca vai se esquecer”, brinca Álvaro Torres Vieira, fundador do Pub Crawl.
 
O Tabuada Tábuas&Drinks é uma das casas que entraram no circuito, que ainda tem o Primeiro Cozinha de Bar e o Jungle Bar. Cada bar sugere um drinque aos participantes. O primeiro optou pelo Baratíssimo, ao custo de R$ 12. Não se engane achando que o preço em conta significa uma bebida de má qualidade. Como todas as criações do local, que investe em diferentes sensações etílicas, ele vem com vodca, limão, xarope de gengibre e xarope de cravo.
 
Thiago Rocha e Rafael Rocha, sócios do Noah Eat Drink Fun: comida, bebida, amigos e música no mesmo endereço (Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
Thiago Rocha e Rafael Rocha, sócios do Noah Eat Drink Fun: comida, bebida, amigos e música no mesmo endereço
 

Comida, diversão e arte 


Durante o período do ziriguidum, o Noah Eat Drink Fun “se joga” na proposta de agregar comida, bebida, amigos e música. Até quarta-feira de cinzas, os glutões que tirarem uma foto com um drinque da casa, usando uma tiara elaborada pela marca de vestuário Toca das Coelhas especialmente para a ocasião, e postarem nas redes sociais levam o acessório de brinde. Basta marcar o restaurante na postagem.
 
Essa é uma das iniciativas do endereço capitaneado por Thiago Rocha, Rafael Rocha e Diogo Assis para fazer do espaço um lugar que equacione badalação e boa mesa na medida certa. “Temos projetos de voz e violão, mas, entre quinta e sábado, o ponto forte são as apresentações ao vivo com duo de sax e DJ”, conta Thiago Rocha.
 
Uma boa ideia é esquentar com o drinque Gin Beeffeater, composto por tônica, limão siciliano, chá de frutas vermelhas e manjericão, por R$ 26. O último ingrediente surge também no risoto de camarão e morango, servido no abacaxi assado, ao custo de R$ 69. Sob assinatura de Enzo Cheli e Rafael Rocha, o menu importa de clássicos internacionais a quitutes com toques de cozinha autoral.
 
Minialmôndegas e cerveja especial com preço amigo %u2014 atrativos do Delta Bar
 ( Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
Minialmôndegas e cerveja especial com preço amigo %u2014 atrativos do Delta Bar
 

Aos moldes do Tio Sam


Fraternidades e irmandades comuns nas faculdades americanas inspiraram a fundação do Delta Bar, que rapidamente se tornou um point na Asa Norte. O conceito dos sócios Pedro Sá, Guilherme Cecilio e William Faria é fazer do local uma versão brasiliense das casas que reúnem universitários com algo em comum, geralmente usando uma letra do alfabeto grego para representá-los.
 
Por lá, até mesmo os petiscos têm um quê da terra do Tio Sam. Fazem tremendo auê as meatballs (minialmôndegas) ao molho de mostarda picante. Como os demais tira-gostos do boteco, elas têm três tipos de preço. Custam de R$ 38,90 (para duas pessoas) até R$ 94,90 (para seis pessoas).
 
A variação é aplicada a todos os petiscos, que aparecem no tamanho padrão (400g), grande (800g) e fodástico (1,5kg). “Tentamos estabelecer o padrão de pratos para dividir, algo que fica mais barato para quem está consumindo em grupo”, explica Pedro Sá.
 
A harmonização com as apetitosas almôndegas pode ser feita com cervejas especiais, a exemplo da Baden Baden Weiss (R$ 18,90, com 600ml); e da Eisenbahn do tipo pilsen (R$ 10,90, 600ml). Há também os drinques autorais. Vale provar o Delta, mistura de rum, tequila, cointreau, vodca, xarope de canela e suco de cranberry, por R$ 15,90.
No carnaval, o Delta Bar aposta nas competições de beer pong, quando é precisar acertar bolinhas do pingue-pongue no copo de cerveja do adversário.
 
O big balde do BFC vem com um frango inteiro, cortado e empanado (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
O big balde do BFC vem com um frango inteiro, cortado e empanado
 

Delivery no balde 


Nem todo mundo se joga no carnaval e aproveita a folia na rua, muitas pessoas preferem o conforto do lar. Por que não um delivery para quem foge da festança? Essa é a aposta do BFC. O local, especializado em frango frito, além de apostar na entrega como uma ótima forma de agradar a seus clientes, oferece preparos com diferenciados e do tamanho que o cliente precisa.
 
Para quem está em grupos grandes, aproveitando o carnaval para se reunir com os amigos, a sugestão é o balde Big chicken (R$ 79,90). 
 
O preparo serve, com fartura, quatro pessoas e vem no tradicional balde. “Esse é um preparo bem grande. É um frango inteiro, cortado em duas coxas, duas asas, duas sobrecoxas e o peito, servido em cinco partes”, explica o sócio Thierry Mariano.
 
Para quem está sozinho, ou em grupos mais modestos, a casa trabalha com alternativas. O cliente pode escolher entre o balde pequeno, com três pedaços (a partir de R$ 11,90), médio, com seis (a partir de R$ 21,90), ou o grande, com 12 pedaços (a partir de R$ 39,90). “Temos vários tipos de frango como tiras de peito empanadas, coxinhas da asa empanadas e tiras do peito envoltas em bacon e empanadas”, explica o sócio Igor Campos.
 
A carne de lata conta a história do Brasil em forma de comida (Gustavo Moreno/CB/D.A Press)
A carne de lata conta a história do Brasil em forma de comida
 

Boteco em casa 


Temperada com limão e marinada em cheiro-verde, pimenta-do-reino, alho e páprica por pelo menos dois dias. Depois, frita por imersão até dourar. Na sequência, armazenada na banha do porco. É dessa forma que nasce a carne de lata suína, feita à moda antiga, comum nas fazendas do interior do Brasil.
 
Esse clima nostálgico parece distante? Pois o prato pode ser solicitado por meio do site SpoonRocket, um delivery do mesmo grupo do iFood que faz entregas sem cobrança de taxa. 
 
A receita pertence ao bar Beco, um dos endereços que aderiram ao sistema, novo na capital. Sai por R$ 57,96 com direito à vinagrete, farofa e geleia de pimenta malagueta artesanal. Chega na conforto do lar quentinha.
 
“A carne na lata virou uma iguaria e nasceu da necessidade de conservação quando o acesso às geladeiras não era comum”, relembra o proprietário, Itiberê Ribeiro. 
 
“O delivery expande o público que conhece o bar”, acredita o empresário, que entrega panelinha de arroz com linguiça e costelinha suína (R$ 50,70), filé à parmegiana com arroz e purê de batatas (R$ 60,38) e virado à paulista (R$ 42,23), com arroz, tutu à mineira, banana frita, couve, bisteca e ovo frito. A partir de R$ 8,47, a festa fica completa com cervejas long neck.
 
Seja uma sobremesa, seja no café da manhã, o Vanilla Café trabalha com alternativas deliciosas (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Seja uma sobremesa, seja no café da manhã, o Vanilla Café trabalha com alternativas deliciosas
 

Para todas as horas 


Quem não curte carnaval passa bons perrengues na hora de fugir do clima da festa, mas no Vanilla Café a áurea carnavalesca passa longe. No carnaval, o endereço pretende atrair os clientes que não curtem passar o feriado nos bloquinhos e preferem um clima mais calmo na hora de comer. 
 
O cliente pode escolher entre bons cafés, como o Ice coffee (R$ 8,50), o cappuccino tradicional (R$ 5,80) ou ainda um café mais elaborado, como o cappuccino vanilla (R$ 8,50), feito com creme de café árabe e essência de baunilha artesanal. 
 
Já para comer o cliente pode escolher, no café da manhã, uma farta cesta de pães (R$ 48), que inclui croissant, pão de gorgonzola, bolo, frios. “Se a fome é mais moderada, talvez a french toast e o capuccino vanilla (R$ 14,80) sejam uma boa pedida”, sugere Fábio Marques, proprietário da casa.
 
Vale a pena experimentar os doces, como o cupcake (R$ 5,50). “Entre os preferidos dos clientes estão o de leite ninho com massa de cenoura e o de brigadeiro com a massa também de cenoura”, revela Fábio.
 
À base de filé-mignon, o prato infantil dá energia para a garotada curtir a folia (Andreia Marlière/Divulgação)
À base de filé-mignon, o prato infantil dá energia para a garotada curtir a folia
 

Diversão para os pequenos


Encontrar um lugar que agrade aos pais que querem aproveitar os festejos e ofereça acolhimento para as crianças é um verdadeiro desafio. Há alguns anos, desde que fez do espaço superior uma enorme brinquedoteca, o Resenha Bar abraçou essa vocação conciliadora.
 
O investimento do proprietário, Abdol Ghazal, deu mais que certo. No carnaval, o trato está feito. Enquanto os pais se deliciam com combinações como o joelho do Marcola (joelho de porco a pururuca com arroz à grega e batata sautée, por R$ 69,90) harmonizado com o chope Colorado Indica, do tipo IPA, por R$ 13,90 (350ml), os pequenos se distraem, aprendem e confraternizam nas oficinas Resenha Mirim.
 
Com início na última terça, o projeto reúne a estrutura do bar com as atividades lúdicas da Oficina Mirim. Serão 10 eventos ao longo dos próximos meses. 
 
“No domingo, haverá um baile de carnaval para crianças com pintura de rosto, oficina de máscaras e contação de histórias com a temática carnavalesca”, adianta Henrique Cavalcanti, idealizador do projeto, feito em parceria com a educadora artística Christianne Rocha. A atividade é exclusiva para clientes do bar, e acontece das 16h30 às 18h30.
 
Com três opções, o menu infantil garante a energia. O mais pedido é o kids 1, que consiste em cubos de filé-mignon grelhado, arroz, fritas e feijão, por R$ 27,90. Suco de frutas como melancia, maracujá e abacaxi com hortelã (R$ 7,90, cada, com 340ml) complementam a refeição.
 
A feijoada de frutos do mar chama a atenção no menu do Vista Linda (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
A feijoada de frutos do mar chama a atenção no menu do Vista Linda
 

Para toda a família


Não curte o carnaval — nem mesmo aquela marchinha distante, que quase não dá para ouvir? Que tal se isolar em um pequeno pedaço de paraíso? Cheio de natureza, com opções de pratos e distração para toda a família, o Vista Linda é uma alternativa. 
 
O local escolheu como o carro-chefe a culinária capixaba e conta com trilhas ao ar livre com cerca de dois quilômetros de extensão, parquinho infantil, redário e muita área verde.
 
“Nossos pratos são extremamente bem servidos, apesar de sugerirmos para duas pessoas, uma família de dois adultos e uma criança come bem sem dificuldade”, garante o chef e proprietário, Gouthier Dias. Para esses casos, ele recomenda a feijoada de frutos-do-mar (R$ 169), com lula, polvo, camarão e mexilhão cozidos com tomate, cebola, urucum, azeite e feijão-branco.
 
Outra pedida que atende bem à família é a moqueca tradicional capixaba, de peixe: robalo, badejo ou cação (R$ 129,90 ou R$ 169,90, com camarão); de camarão (RS 149,90); ou ainda de frutos-do-mar (R$ 179,90), que leva os mesmos ingredientes da feijoada. 
 
“Nossos peixes são sempre frescos, não congelo a carne. Por isso, é necessário verificar a disponibilidade”, avisa Guto, como o chef gosta de ser chamado.


COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK