Brasília-DF,
17/OUT/2018

Confira algumas receitas de comidas quentinhas para comer durante o inverno

Caldos, sopa, fondue e risotos estão entre as opções para os brasilienses se deliciarem

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Renata Rios Rebeca Borges* Publicação:20/07/2018 06:01Atualização:19/07/2018 19:17
Chocolate quente martin do Kopenhagen, no Conjunto Nacional ( Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
Chocolate quente martin do Kopenhagen, no Conjunto Nacional
 
 
O frio chegou e com ele veio a vontade de comer aquele preparo quentinho. Para ajudar o leitor nessa busca por algo que aqueça a barriga e o coração, o Divirta-se Mais desta semana apresenta casas que oferecem pratos certeiros contra o frio. 

A fondue é uma estrela do inverno. Originalmente apenas de queijo, ela ganhou, após deixar a Suíça, duas versões igualmente deliciosas, a de chocolate e a de carne. “Temos um aumento da procura por fondue durante este período do ano”, explica Antônio Barroso, gerente da Cantina Dom Fondue.

Outro destaque são as sopas. Na Cantina da Massa, o capeleti in brodo é uma sopa com a massa recheada e caldo de frango. “Essa é uma sopa bem quentinha. Nesse período ela sempre antecede as refeições no Sul”, revela a proprietária Alda Bressan.

Nas sobremesas, um bolo quente vem como um carinho. No Nossa Cozinha Bistrô, o fudge deixa qualquer amante de chocolate feliz e aquecido. A receita vai à mesa em um refratário acompanhada de sorvete e de uma calda quente de chocolate. “O sorvete, apesar de ser frio, fica interessante, pois dá um contraste na sobremesa”, explica Alexandre Albanese, proprietário do local.
 

O rei do frio

O chocolate da Kopenhagen pode ser pedido tanto quente quanto frio (Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
O chocolate da Kopenhagen pode ser pedido tanto quente quanto frio
 
Quer uma receita que agrade a crianças e adultos sem fazer ajustes? O chocolate quente é uma delas. A bebida é quente ganha diversas versões pela capital. Um dos que se destacam é o servido na Kopenhagen, cremoso e preparado com o chocolate em pó da própria marca.

Entre as alternativas disponíveis na loja, duas são as preferidas: o Martin (R$ 11, o pequeno; R$ 16, o grande) e o Mexicano (R$ 11, o pequeno; R$ 16, o grande). “O primeiro conquista com a textura densa e delicada”, garante Maricy Porto, diretora de marketing do Grupo CRM, detentor da Kopenhagen. 

Sobre o segundo, a diretora informa que a bebida é mais encorpada e cremosa: “Ele é feito à base de leite, chocolate amargo, creme de leite e canela, que se destaca bastante no sabor”, explica.
 
Para acompanhar, a dica é aproveitar os cookies cobertos com chocolate (a partir de R$ 17,85, 100g). “O que mais vende é o cookie rum, seguido pelo cookie baunilha”, informa a diretora, que ainda lista o de café, o amanteigado e o de canela como alternativas.


Caldeirões de quentura

O cozido servido aos domingos no Bar Brasília virou tradição na cidade
 (Lucas Ferreira/Divulgação)
O cozido servido aos domingos no Bar Brasília virou tradição na cidade
 
Os caldeirões fervem a todo vapor no fim de semana no Bar Brasília. O local oferece aos domingos o famoso cozido da casa (R$ 49,90). Na sexta e no sábado, a clientela encontra a famosa feijoada (R$ 48,50), também servida nas panelas dispostas no salão.

“Durante o período de frio, o pessoal procura muito pelo cozido. Ele é servido no bufê à vontade”, relata Jandir Oberosler, gerente da casa. Ele  destaca que os ingredientes vêm em panelas separadas para o comensal escolher as carnes e os legumes da sua preferência. 
“Temos costela, rabada, charque, músculo, peito... São muitos tipos de carne. Tomamos muito cuidado com a qualidade delas também. Por isso, o cliente vem sabendo que a carne será bem limpa e bem feita”, garante Jandir.

A lista de legumes também não deixa a desejar e traz opções como batata-baroa, jiló, maxixe, cenoura, abóbora japonesa, milho verde e outros tantos. Jandir revela que, entre o público, um destaque da época do frio é o caldinho do cozidão, também disposto no bufê. “O pessoal costuma vir, toma o caldo, conversa e depois que vai comer de fato. É um programa para passar a tarde comendo”, sugere.


Para comer em casa

A Toscanello funciona no estilo rotisseria: as massas são preparadas para esquentar e comer em casa (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
A Toscanello funciona no estilo rotisseria: as massas são preparadas para esquentar e comer em casa
 
Para algumas pessoas, as baixas temperaturas do inverno aumentam a vontade de ficar em casa. Os interessados nessa alternativa podem aproveitar os serviços da Toscanello, empresa que oferece opções de pratos para saborear no conforto do lar. 

Há 30 anos, o estabelecimento trabalha com massas artesanais, vendidas frescas ou congeladas nas sete unidades espalhadas pelo Distrito Federal. “Tudo o que vendemos é preparado na loja”, garante Lucas Zanello, proprietário do estabelecimento.

Uma boa pedida para a época mais fria do ano é a lasanha. A casa trabalha com quatro sabores diferentes, como quatro queijos e frango. “A mais tradicional e que mais sai é a bolonhesa”, afirma Lucas. 
 
A receita leva molho branco, molho à bolonhesa, muçarela e queijo parmesão. “A nossa massa é elaborada com farinha italiana e ovos frescos, nada de aditivos químicos”, garante o proprietário.

Além de oferecer porções na embalagem da própria casa, a Toscanello possibilita uma alternativa: “Temos a opção de o cliente levar o próprio pirex. O pessoal leva muito para fazer reuniões em casa. Massa, frio, vinho e amigos: é a combinação perfeita”, ressalta Lucas. O quilo da lasanha custa R$ 39. 


Festival de risotos

O risoto de aspargos frescos é um dos sucessos do Le Jardin du Golf ( Lucas Fernandez Arteaga/Divulgação)
O risoto de aspargos frescos é um dos sucessos do Le Jardin du Golf
 
Há oito anos, o restaurante Le Jardin du Golf mescla duas tradicionais gastronomias: a francesa e a italiana. No inverno, o risoto assume os ares de campeão de pedidos. No menu, constam seis sabores do prato tipicamente italiano.“O risoto caiu no gosto do brasileiro. É um prato italiano muito consumido no frio”, explica Carlos Veloso, proprietário e chef do estabelecimento.

Segundo Carlos, para um bom resultado final, é necessário utilizar um arroz de qualidade. “No risoto, a gente usa o arroz italiano arbóreo, refogado na manteiga com cebola”, conta. Além disso, o chef explica que é importante utilizar um bom vinho branco no preparo do risoto para conferir sabor e leveza à massa.

Um dos sucessos da casa é o risoto de aspargos frescos (R$ 62). O prato é cozido com caldo de legumes, preparado no local e leva aspargos refogados no azeite. “É um preparo simples.Utilizamos um bom arroz, um bom vinho e finalizamos com um bom queijo parmesão”, afirma Carlos. Outra estrela é o risoto de camarão com abóbora trufada (R$ 89), preparado com manteiga de trufas.


Caldo de sucesso

O caldinho de feijão do Bar Cristal é feito com a feijoada, para absorver o sabor das carnes (Rodrigo Nunes/Esp. CB/D.A Press)
O caldinho de feijão do Bar Cristal é feito com a feijoada, para absorver o sabor das carnes
 
Com 49 anos de história, o bar Cristal tornou-se uma das referências em Brasília quando o assunto é feijoada. E como toda boa feijoada, ela é precedida pelo caldinho de feijão (R$ 7,90), que chama a atenção tanto quanto o prato principal, servido diariamente em duas versões: a light (R$ 89,50) e a completa (R$ 84,90).

“O segredo está na hora de cozinhar o feijão. Fazemos ele com as carnes da feijoada. O grão absorve o sabor das carnes, como o paio e o charque”, explica Aderson de Menezes, que comanda a casa há cinco anos.  

Segundo ele, durante o período do frio, a procura pelo caldo aumenta. “Temos ainda o caldo de mandioca (R$ 12,90). Nesse caso, cozinhamos a mandioca no caldo da carne, o que dá um diferencial no sabor que vai ao prato”, garante.

Menezes destaca que a casa trabalha com caldos surpresa. “Esses não têm dia nem sabor fixos. São feitos de acordo com o que tem de bom à disposição”, conta. Entre os sabores aparecem o caldo verde e a canja.


Pedacinho do Sul

Os capelettis da sopa servida na Cantina da Massa são feitos um a um, manualmente ( Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Os capelettis da sopa servida na Cantina da Massa são feitos um a um, manualmente
 
Para quem é do sul do nosso país, o frio faz parte da rotina por um bom período do ano. Vem dessa região uma das receitas mais pedidas na Cantina da Massa nesta época do ano. É o capeletti in brodo (R$ 50,90), sugestão da proprietária Alda Bressan como uma entradinha.

“Essa é uma sopa leve, mas nutritiva. O capeletti é cozido no caldo de galinha e recheado com peito de frango temperado. Na época do frio no Sul, sempre servimos de entrada”, garante Alda. 

A proprietária lembra que, na região, era comum que cinco ou seis mulheres passassem a tarde produzindo os capeletti. “No fim, a gente dividia e tinha massa para um mês”, recorda-se.

Já no prato principal, a polenta é garantia de acerto na casa. Entre os preparos que Alda destaca está a polenta recheada (R$ 45,90). “Nessa colocamos a polenta mole, com queijo no meio e cobrimos com molho”, descreve.


Direto do forno

Alexandre Albanese, do Nossa Cozinha Bistrô: %u201CA receita do fudge brownie veio do meu
estilo chocólatra%u201D (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Alexandre Albanese, do Nossa Cozinha Bistrô: %u201CA receita do fudge brownie veio do meu estilo chocólatra%u201D
 
Sabe aquele bolo quentinho, recém-saído do forno? Imagine isso com aquela lembrança nostálgica de comer a massa do bolo direto da batedeira. Esse é o fudge brownie (R$ 19,50) do Nossa Cozinha Bistrô, que vai à mesa quentinho, no próprio refratário onde foi assado e guarnecido com uma calda de chocolate e sorvete. 

“Apesar de ser morninho, ele vem com o sorvete. Isso dá um contraste de temperatura”, explica Alexandre Albanese, chef e sócio da casa.

Albanese conta que a receita acompanha a casa desde a inauguração. “Essa receita veio do meu estilo chocólatra. Queria algo diferente do petit gatêau, mas também não queria o brownie de barra. Essa receita agrega um pouco de cada”, lembra.

Outro preparo quentinho de que Alexandre não abre mão do doce é a apple pie (R$ 19,50). “Essa torta é feita bem no estilo americano: muita maçã, um toque de limão e canela, e pouco açúcar e farinha”, ensina.

Já para quem pretende comer algo salgado antes, o risoto de filé-mignon com calabresa (R$ 49) é um sucesso da casa. 

“Chegamos a tirar esse prato do menu, mas os clientes pediam ainda assim. Acabamos voltando de vez com ele”, revela.



Tradição invernal

A Cantina Don Fondue oferece fondues doces como chocolate e doce de leite e salgadas (Carlos Moura/CB/D.A Press)
A Cantina Don Fondue oferece fondues doces como chocolate e doce de leite e salgadas
 
De origem suíça,  a fondue aquece a noite de quem frequenta a Cantina Don Fondue. Há 11 anos, o estabelecimento oferece opções salgadas, como queijo e carne, e doces, como chocolate e doce de leite.

O gerente Antônio Barroso conta que, apesar de ser mais consumida durante o inverno, a fondue faz sucesso o ano todo. “Fazer fondue é simples e rápido. Tem muitos clientes que vêm em outras épocas”, explica. 

O local oferece rodízio, com todos os itens do menu, por R$ 75. Além disso, existe a possibilidade de aproveitar as opções queijo, carne e chocolate por R$ 85, para duas pessoas.

Os preparos de queijo vêm de uma mistura entre gorgonzola, gruyère e muçarela. “Fazemos uma combinação com apenas três queijos, para não perder o sabor”, explica Antônio. 

As carnes — filé-mignon, filé de frango e picanha — são preparadas na pedra. “Antigamente, as carnes eram feitas no óleo, mas ficava muito gorduroso”, afirma Antônio. Como acompanhamento, a casa oferece molho de alho, barbecue, vinagrete e geleia de morango.

As fondues doces podem ser de chocolate, doce de leite e paçoquinha. “Utilizamos um chocolate que vem do Espírito Santo. Colocamos chocolate amargo e ao leite, para não ficar enjoativo”, afirma Antônio. 


Por um inverno mais doce

A sobremesa fragole flambé acompanha um shot de chocolate quente para despejar na massa (João Paulo Lacerda/Divulgação)
A sobremesa fragole flambé acompanha um shot de chocolate quente para despejar na massa
 
Conforto, comida boa e proteção contra o frio. Esses são os elementos que caracterizam o festival de inverno do Cantucci Bistrô. O estabelecimento  revestiu a varanda e preparou aquecedores e mantas. “A ideia é fazer com o que os clientes curtam o frio e não que ele seja um problema”, afirma o chef Rodrigo Melo.

No menu especial, quem brilha é a sobremesa fragole flambé (R$ 18), composta por uma massa folhada e frutas vermelhas flambadas com conhaque. “Essa bebida é muito tradicional dos países frios, ajudando a exaltar os aromas dos frutos na frigideira e dando cor”, garante Rodrigo.

Para completar, a iguaria é acompanhada de um “shot” de chocolate quente, que deve ser despejado por cima da massa. “A doçura do chocolate complementa a acidez das frutas vermelhas”, explica o chef. O cardápio de inverno conta com sopas de abóbora e shitake (R$ 28), como opções de entrada, e um risoto de camarão, lula, polvo e mexilhão (R$ 38), como prato principal. 


ONDE COMER


Bar Brasília 
(506 Sul, cj. 15 lj 15; 3443-4323), aberto de segunda a sábado, às 11h30 à 1h; domingo, das 11h30 às 16h.

Cantina Don Fondue 
(109 Norte, Bl. B, lj 61; 3273-5105), aberto de segunda a sábado, das 18h às 23h.

Cantina da Massa 
(302 Sul, Bl. A, lj 4; 3226-8374), aberto de segunda a sexta, das 11h às 15h e das 19h à 0h; sábado, das 11h à 0h; domingo, das 11h às 17h.

Cantucci Bistrô 
(403 Norte, Bl. E, lj 3; 3328-5242), aberto de segunda a sábado, das 12h às 23h.

Cristal 
(415 Sul Bl. A lj. 2; 3346-1322), aberto de terça a sábado, das 11h30 à 0h; domingo, das 11h30 às 19h.

Kopenhagen 
(Conjunto Nacional, 2º piso; 3202-1700), (Brasília Shopping, 2º piso; 3328-4793), (ParkShopping, 1º piso, lj 181; 3234-0108), aberto de segunda a sábado, das 10h às 22h; domingo, das 12h às 20h.

Le Jardin du Golf 
(SCES, Clube de golfe, tc 2, lt 17; 3321.2040), aberto de segunda a quinta, das 12h à 0h, sexta e sábado, das 12h à 1h, e aos domingos, das 12h às 17h.

Nossa Cozinha Bistrô 
(402 Norte, Bl. C, lj 60; 3326-5207), aberto de segunda a quinta, das 11h30 às 15h e das 19h30 às 23h, sexta, das 11h30 às 15h e das 19h30 à 0h; sábado, das 11h30 às 16h e das 19h30 à 0h.

Toscanello Rotisseria Italiana 
(CLSW 104, Bl. B, lj 26, Sudoeste; 3343-0989 e 203 Sul, Bl. B, lj 23; 3226-7324. Confira mais endereços no site: massastoscanello.com.), aberto de segunda a sábado, das 10h às 20h; domingo, das 10h às 15h30.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK