Brasília-DF,
21/OUT/2017

Em crônica, Paulo Pestana afirma ter imã para pessoas achamorradas

Segundo o cronista, "elas costumam me notar, se achegam e puxam uma conversinha mole estúpida"

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Publicação:15/08/2014 06:02Atualização:14/08/2014 12:58

 (Arquivo Pessoal)

Dizem que o uirapuru só canta quando está fazendo ninho. Eu, que só conheço o canto do uirapuru porque o Silvestre Gorgulho me deu um disco com um monte de canto de passarinhos, fingi concordar — há de se convir que não dá pra contrariar quem tenta puxar um papo a partir de uma afirmação dessas. Mas não fui adiante. E nem poderia. Entendo bulhufas de passarinho. Fiquei esperando a próxima.

— A gente reclama que a vida é curta, mas uma mosca só vive por 10 dias. Quase engasguei com a dose de Boi Parido. Duas tossidas depois, olhei pro sujeito que eu nunca havia visto antes e só meneei a cabeça, sem palavras.

Saiba que a minha cultura inútil não é desprezível — sei até o nome do cavalo e do cachorro do Fantasma, que aliás um dia foi chamado de Fantasma Voador, mesmo sem voar. Sei até que Bonnie & Clyde morreram alvejados por 187 tiros. Mas de mosca nada sei.

— Dizem que avestruz esconde a cabeça num buraco. Na verdade, elas encostam o ouvido no chão para ver se tem predador chegando.

Acabaram todas as dúvidas. Eu estava, mais uma vez, diante de um chato. Desta vez um chato especial, de uma cultura rara no bar, onde normalmente a gente encontra especialistas em outras áreas: futebol, mulher, cachaça, pescaria.

É preciso dizer que eu tenho uma espécie de imã para achamorrados e assemelhados; eles costumam me notar, se achegam e puxam uma conversinha mole. Mas esse aí, em especial, era demais. Não consigo acreditar que alguma vez ele encontrou alguém para conversar com tal qualidade de tópicos.

Se é para puxar papo furado, melhor falar da periclitante situação do Flamengo. Ou da Dilma. Ou, mais importante, da Zilu que não quer mais saber do Zezé e posou de biquíni, no barraco que abalou os alicerces da família sertaneja. Com esses sites especializados em celebridades, convenhamos, o que não falta é assunto. Mas o camarada só queria saber de mosca, avestruz e passarinho.

O maçante é normalmente um sujeito de princípios, não aceita muito bem as críticas e reparos. Gosta de falar sozinho, expor fatos que aticem a curiosidade alheia. E um dos truques para se livrar deles é não prosseguir com a assertiva — sim, chatos não têm dúvidas, só certezas.

— Cabra firme mesmo era o Gandhi, que dormia pelado ao lado de mulheres igualmente nuas para pôr sua abstinência à prova.

Difícil não comentar essa. Sinal que o chato estava me atentando. Mas como não se sabe o que vem depois, achei melhor ficar quieto; até porque não me interesso muito pela vida sexual alheia, nem dos filhos de Gandhi, quanto mais do pai.

Tudo acaba. E o chato vai-se embora, surpreendentemente, sem lançar um novo exocet. É acompanhado discretamente pelos olhos; há sempre o perigo de uma meia volta. Foi-se. Vou tomar meu chopinho em paz, mas o Tuim me interrompe:

— Lê aqui: na Suíça quem mora em apartamento não pode dar descarga depois das 22h!
 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]