Brasília-DF,
20/OUT/2017

Crônica da semana destaca sobre as pesquisas acadêmicas sem utilidade

O problema desse tipo de vagal acadêmico é que ele não se contenta em fazer coisas inúteis, mas faz questão de divulgar

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Paulo Pestana Publicação:26/09/2014 06:00
E vagal tem que ter orgulho do seu não ofício. Para se ter ideia do respeito que os ociosos sempre mereceram, eram chamados de fiscais da natureza. Mas isso foi no tempo do ronca.

Mais precisamente no tempo do Jorginho Guinle, que cruzou mais de 80 anos de vida sem dar com um prego numa barra de sabão, dedicando-se a namorar, ouvir jazz e a gastar a fortuna que herdou. Um sábio.

O que me incomoda de verdade é gente que finge trabalhar. Por exemplo: acadêmicos que tentam disfarçar a coragem de assumir a falta do que fazer com pesquisas sobre assuntos que não interessam a ninguém ou nunca vão servir para nada.

Por exemplo: o cientista Mark Wood, da Universidade de Exeter, no Reino Unido, liderou colegas que foram a Kyoto, Japão, apresentar sua sensacional descoberta: pum faz bem à saúde. Pode prevenir câncer, AVC, artrite e ataques cardíacos.

Da próxima vez que a flatulência escapar no elevador lotado, podemos, em vez de ficar vermelhos de vergonha, simplesmente dizer: você não sabe, mas estou lhe ajudando...

Nos Estados Unidos, outros cientistas com pouco ou nada a fazer, concluíram que nos lugares em que se toca mais música country a taxa de suicídios é mais alta. E debitaram a culpa nas letras das canções, que falam de traições conjugais, abuso no consumo de álcool e tristezas a granel. Fosse verdade, não tinha um goiano de pé.

Três cientistas francesas recentemente fizeram a importante descoberta — com demonstração! — que as pulgas pulam mais sobre os cachorros do que quando estão alojadas nos fofos pelinhos de um gatinho. Não era melhor investir o tempo e o dinheiro da Escola de Veterinária de Toulouse para descobrir como tirar uma pulga atrás da orelha?

E foram os britânicos que descobriram que o fim de um relacionamento é a principal razão para uma mulher cortar o cabelo. E também afirmam que os cavalos não esquecem — sem, obviamente, dizer o que os cavalos não esquecem.

Os psicólogos Hart e Boltz descobriram que as pessoas com cães são mais corajosas. A coragem deve aumentar se for um pitbull, acho eu.

Muito mais útil é a descoberta que o mosquito da malária não gosta do cheiro de chulé. Ou seja: é só distribuir keds e bamba cabeção para a caboclada que vamos erradicar a malária do continente.

Fazendo esta pesquisa eu também fiz uma descoberta: os idiotas estão por toda parte. Quanto mais desenvolvido o país, aliás, mais pesquisa inútil é feita. Acho que, quando o sujeito não tem que correr atrás do prato de comida, fica procurando o que fazer.

O problema desse tipo de vagal acadêmico é que ele não se contenta em fazer coisas inúteis, mas faz questão de divulgar. O verdadeiro vagabundo não se daria a esse trabalho.
Tags: celular

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]