Brasília-DF,
20/OUT/2017

Crônica da semana: reflexões sobre o Maranhão, Guaraná Jesus e a Tiquira

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Paulo Pestana Publicação:02/09/2016 06:15Atualização:02/09/2016 09:01
Não há quem não goste de um presente; mais do que o valor financeiro, vale pela lembrança, pela consideração, pelo desprendimento. Quando meu amigo chegou de São Luis foi logo avisando que tinha uma surpresa. Surpresa eu já não gosto. Imaginei tudo. E fiquei preocupado: não saberia o que dizer se fossem latinhas de guaraná Jesus, o único refrigerante cor-de-rosa do planeta, mistura de açúcar e canela que arrepiou Jânio Quadros quando, em campanha, teve que provar e elogiar.
 
Depois de eleito mostrou que podia não ter juízo, mas tinha boa memória ao fazer careta quando avistou o mimo oferecido por maranhenses ilustres. Mas quem sabe não seria uma das delícias culinárias do estado. Um camarão seco ao sol, molho de vinagreira para fazer arroz-de-cuxá, uma torta de siri, uma pescada amarela fêmea, um bocadinho de sarnambi... A surpresa só se revelou quando encontrei o amigo: era uma garrafa de tiquira. Para quem não está familiarizado, tiquira é uma parente distante da pinga. Em vez da cana, usa-se mandioca para fermentar e produzir o líquido arroxeado que deixava os índios zuretas e, provavelmente, com uma dor de cabeça louca, já que não havia aspirina. A tiquira é a verdadeira aguardente brasileira; estava aqui antes das caravelas. A caninha surgiu com os portugueses, que já eram craques na bagaceira, a aguardente de uva, e só transferiram a tecnologia. Mas enquanto uma e outra têm sabores relevantes, a tiquira se destaca pela ausência de cheiro e sabor —  o cheirinho vem das folhas de tangerineira que entram na fervura —  e pela graduação alcoólica que pode chegar a 55% —  uma paulada na moleira.

Meu amigo certamente notou a minha cara de Jânio Quadros, pois se apressou em explicar que a tiquira é a nova queridinha dos barmen exatamente por não interferir muito no sabor dos demais ingredientes dos coquetéis, e começou a fazer uma mistura com grenadine e suco de caju. Se usasse álcool de cereais não seria muito diferente; doce demais, forte demais. Sem preconceito, um programa de índio.
 
Priscas eras, os silvícolas cavucavam uma árvore para fazer o que para eles era um barril e deixavam fermentar a mandioca ralada até formar o mosto. Depois ferviam. Tem tiquira de tudo o que é jeito, mas nenhuma delas tem a sofisticação da cachaça ou de outras aguardentes: é uma bebida para machos e porcos —  os índios garantem que tomar banho depois de beber é morte certa.
 
Os maranhenses tentam colocar a tiquira no mapa etílico do Brasil faz tempo, mas sem sucesso. A produção ainda é artesanal, sem controle, e não há uma marca de reconhecida qualidade; ao contrário, os rótulos são toscos, revelando o caráter amador dos produtores, que não se preocupam em manter um padrão.

Aqui em Brasília não sei de ninguém que esteja criando drinques de tiquira, mas pode ser desinformação. A ilustre colônia maranhense que frequenta o Bar da Baixinha tem até saudade da cervejinha Cerma, mas fica longe da tiquira. Se alguém souber, por favor, não me avise.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]