Brasília-DF,
15/JUL/2018

Crônica da semana: Prazeres masculinos

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Paulo Pestana Publicação:29/06/2018 06:00
Muita gente acha de que homem só pensa naquilo; que o prazer masculino se limita apenas a uma coisa, mais nada — isso mesmo que você está pensando. Não é verdade. A propósito, vamos nos limitar a ida à barbearia.

Hoje há várias barbearias que tentam sofisticar um ambiente que até pouco tempo era aromatizado pela mistura dos cheiros de Aqua Velva, talco e o eventual mau hálito do sujeito da cadeira ao lado. Agora, há profissionais que parecem ter saído de uma escola de belas artes, que desenham barbas e debuxam cabelos em manifestações artísticas efêmeras como esculturas de gelo. Mas, tirando a cerveja, nada me atrai nesse ambiente.
 
Não há o que substitua a barbearia popular, principalmente se o barbeiro tiver mais de 60 anos de idade. Há jovens bem formados, mas são os mais velhos que cultivam o rito que cerca um dos grandes prazeres masculinos: fazer a barba.
 
As mulheres têm salões de beleza, ambientes sadomasoquistas, que misturam prazer e dor —  não acredito na felicidade de arrancar uma cutícula ou de esquentar o cabelo na chapa como um hambúrguer, mas sei que acaba em satisfação. Isso para não falar em operações ainda mais radicais e brutas como a
depilação com cera.
 
Salões femininos —  mesmo aqueles que aceitam homens —  são efervescentes. Dia desses, enquanto filava um jogo na tevê do bar, foi impossível não observar o que acontecia no salão ao lado, aquele entra e sai, conversas paralelas entremeadas de gritinhos que fingiam espanto e uma mistura de cheiros que atrapalhava até o sabor da cerveja.
 
A barbearia, ao contrário, é local de contrição — talvez uma herança do tempo em que os barbeiros eram também cirurgiões e dentistas. Com a mesma navalha que escanhoavam o rosto do freguês, faziam sangrias; se bobeasse, arrancavam um dente. Daí veio aquele cilindro pintado com listas vermelhas e brancas —  simbolizando curativo e sangue —  instalados nas antigas barbearias (hoje resgatados pela moda retrô).
 
Com a popularização desses aparelhinhos de plástico, ninguém mais precisa ir à barbearia todo dia. Até por isso, o barbear virou um momento ainda mais solene. Começa com uma boa conversa, mesmo nesses tempos belicosos, enquanto o profissional apura o fio da navalha. Uma toalha úmida e quente é aplicada sobre o rosto para abrir os poros, o pincel espalha o creme pela área cabeluda e a navalha entra em ação.
 
Aí a conversa vira monólogo. É bom escolher um barbeiro bom de bico: só ele fala nessa hora; por mais confiança que o profissional mereça, nunca é fácil ter uma navalha tão perto da jugular. Há uma certa tensão, mas que não impede o prazer. No final, outra toalha quente e a torcida para que a Aqua Velva não arda muito.
 
Pensando bem, você tinha razão: o outro prazer é melhor.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

BARES E RESTAURANTES

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]