Brasília-DF,
22/FEV/2018

Grupo De 4 é melhor traz nova comédia com temática de ódio e amor às sogras

Amadas e odiadas no imaginário popular brasileiro, as sogras são o tema da nova comédia do grupo De 4 é melhor

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Rebeca Oliveira, especial para o Correio Publicação:14/06/2013 08:00Atualização:13/06/2013 14:02

Grupo tem nove anos de história e já se apresentou para 500 mil pessoas (Felipe Barreira/Divulgação)
Grupo tem nove anos de história e já se apresentou para 500 mil pessoas
Quem pensa em casamento tem de preocupar-se com vários detalhes. Um deles pode assustar mais que os preparativos para o enlace, a decoração da casa nova, um noivo neurótico ou uma noiva nervosa: a sogra. Uma das figuras mais odiadas do imaginário nacional é o objeto de um estudo nada antropológico do grupo De 4 é Melhor. Corra, minha sogra vem aí estreia amanhã, no Teatro dos Bancários, com a recomendação para que os espectadores compareçam em companhia da sogra para garantir (pelo menos nos 70 minutos de espetáculo) um pouco de harmonia na relação entre eles.

Composto por Fabianna Kami, Márcio Minervino, Marcos Davi e Rodrigo Daher, o grupo tem quase uma década de história e já levou cerca de 500 mil pessoas a teatros do país com espetáculos como De volta aos anos 90 e Você é quem você come.


'A sogra é má por amor, é uma proteção a mais. Porém, tudo em excesso faz mal', diz Marcos Davi, do grupo De 4 é Melhor (Felipe Barreira/Divulgação)
'A sogra é má por amor, é uma proteção a mais. Porém, tudo em excesso faz mal', diz Marcos Davi, do grupo De 4 é Melhor


Davi explica porque as sogras têm a imagem tão desgastada: “Quando o filho nasce, elas dão um amor completo; quando o neto nasce, dão mais amor ainda. A sogra é má por amor. Porém, tudo em excesso faz mal”. Fabianna garante que as sogras de todos eles estarão na plateia. Sobre o texto, diz que foge das piadas convencionais: “Elas falam como se sentem, por exemplo, por terem carregado o filho por nove meses e, depois, serem abandonadas.”

Analisando o mercado de comédia em Brasília, Minervino, que entrou no grupo em 2007, não enxerga o sucesso de outras companhias como concorrência. “Até sairmos de Brasília tínhamos a cabeça pequena e enxergávamos como concorrente. Mas, quando vimos o mercado, percebemos que, quando mais comédia, melhor.”

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES