Brasília-DF,
23/SET/2018

CCBB recebe o I Festival de cultura inclusiva do Distrito Federal

A exposição poderá ser tocada, e a peça terá monitores intérpretes de libras e áudio descritores

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Rebeca Oliveira Publicação:13/09/2013 06:10Atualização:12/09/2013 14:35
Marta Guedes foi uma das alunas da oficina de artes plásticas: acessibilidade e criatividade  (Marcus Fábius/Divulgação)
Marta Guedes foi uma das alunas da oficina de artes plásticas: acessibilidade e criatividade
De acordo com o último censo demográfico do IBGE, 46 milhões de brasileiros são deficientes. Esse grupo, cerca de 24% da população, será representado no I Festival de cultura inclusiva do DF. Haverá dois eventos simultâneos: o primeiro é a exposição Arte visual, em cartaz até o dia 22, com esculturas em argila, cerâmica e papel marchê. O segundo é a peça Diversos dias, em cartaz sábado e domingo, e em 21 e 22 de setembro. Todos os eventos acontecem no Centro Cultural Banco do Brasil (Vão central e Teatro I).

A exposição poderá ser tocada, e a peça terá monitores intérpretes de libras e áudio descritores. A ideia surgiu de Lurdinha Danezy, cujo filho, Lúcio Piantino, é portador de síndrome de Down. Com 18 anos, Lúcio fez um documentário e participou de mostras individuais. Desde janeiro, Lurdinha organizou oficinas no Espaço Cultural Renato Russo, na Associação Brasiliense de Deficientes Visuais de Brasília (ABDV ) e no Grupo de Apoio às Mulheres com Hanseníase (Gamah), em Planaltina.

Duas perguntas  Lurdinha Danezy
Brasília tem 53 anos e só agora surgiu um festival voltado a pessoa com deficiência.  Por que essa demora?
Não realizamos esse projeto anteriormente porque não tínhamos verba. Eu entrei com o pedido como pessoa física no Fundo de Apoio à Cultura (FAC) para criar esse festival. Queremos fazer o primeiro e mostrar para as autoridades que nós temos condições de fazer um trabalho de excelência para pessoas com deficiência.

Qual foi a sua motivação para a criação do festival?
Eu tenho um filho com síndrome de Down, Lúcio Piantiano. Sempre desenvolvi trabalhos com ele. Desta vez, quis colocar todas as pessoas com alguma deficiência no projeto. Desde janeiro realizamos oficinas em vários pontos da cidade.

Serviço
I Festival de cultura inclusiva do DF
Até 22 de setembro, das 9h às 21h, no Vão livre do Centro Cultural Banco do Brasil (SCES, Tc. 2, Lt. 22; 3108-7600). Peça Diversos dias: amanhã e domingo, e 22 e 23 de setembro, às 21h, no Teatro I. Entrada franca. Classificação indicativa livre. Informações: 9297-5885.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES