Brasília-DF,
21/FEV/2018

Maria Alcina traz à capital show que celebra o cancioneiro de Luiz Gonzaga

O espetáculo, batizado de Asa branca, após rodar por algumas cidades, desembarca nesta quarta (19/2) e quinta-feira (20) em Brasília, no Teatro da Caixa

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Gabriel de Sá Publicação:19/02/2014 08:58

Em 2012, fez 40 anos desde que a cantora mineira Maria Alcina apareceu para o Brasil interpretando Fio Maravilha, de Jorge Ben Jor, no Festival Internacional da Canção (FIC). Contudo, o período marcava outra data importante para a cultura popular: o centenário de Luiz Gonzaga. Alcina não teve dúvida. Abrindo mão das celebrações pessoais, montou um show para homenagear o Rei do Baião. O espetáculo, batizado de Asa branca, após rodar por algumas cidades, desembarca nesta quarta (19/2) e quinta-feira (20) em Brasília, no Teatro da Caixa. Coincidentemente, acaba de chegar às lojas o álbum em que, agora sim, a artista comemora a data redonda da própria trajetória.

Quando criança, na pequena Cataguases (MG), o ouvido afiado de Alcina já reparava nas canções de ares sertanejos entoadas pela mãe e reproduzidas pelas emissoras de rádio. Era Gonzagão. “A gente não descobre ele, a música dele é que nos cobre, nos dá identidade. E, assim, a vida segue”, diz a cantora. Uma das primeiras canções que lembra ter escutado foi Baião de dois, também uma das que ela logo tratou de incluir no repertório dos shows em tributo ao ídolo. “Tinha sempre alguém a cantando, em algum lugar”, lembra.

Em breve, cantora retorna à cidade para dar vida a uma cafetina em musical que homenageia Odair José (Feco Hamburguer/Divulgação)
Em breve, cantora retorna à cidade para dar vida a uma cafetina em musical que homenageia Odair José

As faixas foram escolhidas por Alcina e pelo idealizador do projeto, Fran Carlo, a partir da pesquisa e do gosto de cada um. Assim, entraram para o time Sabiá, Jesus sertanejo, Paraíba, A morte do vaqueiro e Olha pro céu, além das emblemáticas e onipresentes Asa branca e Qui nem jiló. “A gente começa a cantar no show e todo mundo canta junto. É como se fosse uma oração, tamanho o respeito e a saudade que o povo tem dele.”

Confira interpretações de Maria Alcina

Fio Maravilha, no Festival Internacional da Canção (1972)



Maria Alcina e Ney Matogrosso cantam Bigorrilho



Calor na Bacurinha e Prenda o Tadeu



ASA BRANCA
Maria Alcina canta Luiz Gonzaga. Nesta quarta e quinta-feira, às 20h, na Caixa Cultural Brasília (SBS, Quadra 4; 3206-9448). Ingressos aR$ 20 e R$ 10 (meia-entrada), à venda na bilheteria do local. Não recomendado para menores de 12 anos.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES