Brasília-DF,
19/JUN/2018

Exposição que celebra centenário de Mário Lago, morto em 2002, chega hoje a Brasília

Mostra tem entrada franca e vai até 1º de junho

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Gabriel de Sá Publicação:03/04/2014 07:00Atualização:03/04/2014 08:57

 (AF Rodrigues/Divulgação)

“Fiz um acordo de coexistência pacífica com o tempo. Nem ele me persegue, nem eu fujo dele”. O carioca Mário Lago partiu em 2002, aos 90 anos, e soube como poucos aproveitar a longa vida que lhe fora destinada. A frase, de autoria dele, revela a leveza com que tratava o tema. O tempo, amigo, possibilitou que o artista se manifestasse das mais variadas maneiras: compôs três centenas de canções, atuou, fez poesia e escreveu para rádio, teatro e cinema. E ainda era boêmio e militante de esquerda, além de advogado e dedicado pai de cinco filhos.

“Ele foi um dos primeiros artistas multimídia do país”, garante Mário Lago Filho, curador da exposição Eu Lago Sou — Mário Lago, um homem do século 20, que chega hoje a Brasília e permanece no Museu Nacional dos Correios, com entrada franca, até o dia 1º de junho. “Um homem que passou por tantos meios de comunicação e conseguiu se reinventar, foram poucos que conseguiram isso”, comenta o rebento, de 57 anos. “Talvez, só o Chico Anysio”, completa.

A mostra idealizada por Mário Lago Filho, e com coordenação de Mariana Marinho, mergulha, a partir de fotos, manuscritos e citações marcantes, nos principais aspectos da vida do artista. Um deles é o afetivo. Objetos familiares, imagens de pais, avós e filhos, com textos do próprio autor, compõem o retrato do homem de família.

Outro aspecto retratado se refere à boemia. Autor das afamadas Nada além (parceria com Custódio Mesquita), Ai, que saudades da Amélia (com Ataulfo Alves) e Aurora (marchinha feita com Roberto Roberti), Mário Lago era frequentador assíduo das noites cariocas.

 

Eu Lago Sou — Mário Lago
De quinta (3) a 1º de junho, no Museu Nacional dos Correios (SCS, Quadra 4, Bloco A). Terças a sextas, das 10h às 19h. Sábados, domingos e feriados, das 12h às 18h. Entrada franca. Classificação indicativa livre. Informações: 3213-5076.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES