Brasília-DF,
20/AGO/2018

Sábado é o Dia Nacional do Forró. Conheça escolas onde aprender a dançar o ritmo

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Publicação:12/12/2014 06:07Atualização:11/12/2014 18:45
Além de ser divertido e de queimar calorias, o forró é indicado em tratamentos de fisioterapia (Daniel Ferreira/CB/D.A Press)
Além de ser divertido e de queimar calorias, o forró é indicado em tratamentos de fisioterapia
Em uma viagem com amigos à pequena cidade de Gilbués, no interior do Piauí, Ivan Sousa recebeu o empurrão que faltava para dançar forró. "Olhava para os lados e todo mundo dançava, menos eu. Decidi que era a hora de aprender", lembra. Após algum tempo de prática, Sousa foi convidado a dar aulas. Abraçou a oportunidade e, hoje, vive disso. Professor há quatro anos, já não se vê mais sem o forró.

O brasiliense de 31 anos explica que a dança é fundamental para quebrar barreiras de timidez, além de oferecer melhorias na saúde e funcionar como uma válvula de escape para o estresse. "Com a prática, consigo manter meu físico, sinto vontade de me alimentar melhor. Tem muito fisioterapeuta que recomenda a dança como uma atividade para melhorar a condição física", comenta. Nas aulas, o objetivo é construir um ambiente de descontração, para que os alunos se sintam bem e leves para dançar.

A estudante de comunicação Gabriela Berrogain, 22, conta que sempre teve interesse por forró e gostava de arranhar passos da dança em festas e shows. Certo dia, a convite de uma amiga, tornou-se bolsista de uma equipe de forró e, quando menos esperava, estava ajudando a dar aulas em uma academia de dança. "Pratico há dois anos e meio. Tem muita gente que vê o forró não como uma simples dança, mas como um estilo de vida", afirma Gabriela.

Para ela as classes são sinônimo de paz. "Você se desliga do mundo para dançar e ouvir aquela música. É um ambiente muito receptivo, fácil de fazer amizade." Além de desestressar, Gabriela afirma que conseguiu corrigir problemas de postura, melhorou o preparo e o condicionamento físico e que possui mais fôlego para outras atividades. "Acredito que seja uma dança que faz bem para o corpo e para a alma. É mais intimista, faz com que as pessoas se soltem e percam a vergonha de se divertir", diz.

Fique por dentro dos tipos de forró

Pé de serra

É o mais popular dos estilos e inclui vários ritmos, como o baião, o xote, o xaxado e a embolada. O termo tem origem nas festa de Januário, pai de Luiz Gonzaga, que fazia reuniões na região do Araripe. O local tem muitas serras e as danças eram realizadas nos pés delas. Ainda dentro do pé de serra, é possível acrescentar um outro ritmo, que se chama roots.

Eletrônico

Com origem no fim da década de 1980, a corrente mistura os elementos tradicionais com o teclado, o contrabaixo e a guitarra elétrico, a influências do pop e do rock. Algumas bandas, como Limão com Mel e Mastruz com Leite utilizam desse ritmo nas músicas.

Onde Praticar

Academia André Barcellos

Clube de Vizinhança nº1 (108/109 Sul; 3225-0361). Mensalidade de R$ 140 para aulas duas vezes por semana.

Dance.com

(Quadra 301, Conjunto 4, Lote 1, Loja 2, Águas Claras; 3042-4747). Mensalidade de R$ 120 para aulas duas vezes por semana.

Instituto de Dança Juliana Castro

(508 Sul, Bloco B, Loja 13/14, Asa Sul; 3244-4142). Mensalidade de R$ 130 para duas aulas por semana ou uma vez em horário duplo.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES