Brasília-DF,
19/NOV/2018

Galeria Alfinete recebe duas exposições que lidam com o subjetivo do público

O corpo humano é o tema do lote de 20 desenhos apresentados por Leopoldo Wolf

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Nahima Maciel Publicação:06/03/2015 07:35
A cadeira fica no centro da instalação criada por Waleska Reuter
 (Haruo Mikami/Divulgação)
A cadeira fica no centro da instalação criada por Waleska Reuter

Uma série de desenhos de corpos distorcidos e uma instalação que requer do visitante boa dose de subjetividade ocupam a Alfinete Galeria a partir deste sábado (7/3).

Em uma das duas salas da galeria, a artista Waleska Reuter montou o seu Quarto escuro, instalação em que reproduz um suposto quarto com uma cadeira de bebê ao centro.

Com jogos de luz, interferências estruturais (a artista contratou um arquiteto para planejar o espaço) e cores neutras (o branco predomina), Waleska quer provocar no visitante uma sensação intimista.

“Quero provocar um certo mistério”, avisa. “Fazer a pessoa sentir o que quero dizer com o objeto. Vou mexer com noções de família, relacionamento, aprofundamento na própria história, é para entrar em um espaço de reflexão.”

Desenhos

O corpo é o tema do lote de 20 desenhos apresentados por Leopoldo Wolf na mesma galeria. À procura de inspiração, que nunca veio, que não teve encaixe, que não foi tênue é uma continuação dos desenhos em miniatura realizados há anos pelo artista. Agora, as microfiguras de Leopoldo saltam de um ponto minúsculo no papel e ganham a superfície ampliadas e revisitadas.

“A diferença mais subjetiva desta seleção de desenhos, em relação às anteriores, é que estou mais focado na questão do imaginário sobre o corpo”, avisa o artista.

“Com a palavra imaginário quero, principalmente, aludir a um aspecto fantasioso, mas também busco envolver um sentido de conjunto de imagens que se remete à idolatria. Deste modo, a conjunção dos termos implica em uma projeção do pensamento sobre o corpo. Faz menção tanto ao corpo inconsciente, ao corpo imaginário, como ao corpo refletido desde a imaginação, pois remete a deformações fantasiosas que o corpo alberga.”

Quarto escuro

Instalação de Waleska Reuter. À procura de inspiração, que nunca veio, que não teve encaixe, que não foi tênue

Desenhos de Leopoldo Wolf. Abertura neste sábado, às 17h,na Alfinete Galeria (116 Norte, Bl. B, lj 61). Visitação até 4 de abril, de quarta a sábado, das 15h às 20h.
Tags: celular

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES