Brasília-DF,
15/AGO/2018

Outros ares: museus contam a história da capital federal

De forma didática e divertida os espaços guardam fotografias e objetos desde a década de 1950

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Publicação:19/02/2016 06:30Atualização:18/02/2016 17:29

Feito em madeira, o Catetinho foi a primeira residência oficial de Brasília ( Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Feito em madeira, o Catetinho foi a primeira residência oficial de Brasília
 

Em poucos anos de construção, ergueu-se a cidade sonhada por Dom Bosco, pelo ex-presidente Juscelino Kubitschek e por Lúcio Costa. Dona da incomum arquitetura desenhada por Oscar Niemeyer e construída pelas mãos dos candangos, Brasília tem uma história que vale a pena ser conhecida.


Para saber mais sobre o passado da capital, há espaços como o Catetinho, o Memorial JK e o Museu Vivo da Memória Candanga, que guardam histórias e curiosidades sobre a cidade, desde a época de sua construção, na década de 1950.

Catetinho
Catetinho foi a primeira residência oficial do presidente Juscelino Kubitschek no Distrito Federal. O nome faz referência ao Palácio do Catete, sede do governo federal no Rio de Janeiro. O local, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico e Nacional (Iphan), mantém mobília e objetos pessoais de Juscelino, ainda do período em que o ex-presidente residiu lá.

 

Construído em madeira, o Catetinho funciona hoje como museu onde um dos atrativos são as diversas fotografias da família Kubitschek e de amigos, além de candangos trabalhando para erguer a capital.

Catetinho

Caub 1, Km 0, BR- 040, Gama. De terça a domingo, das 9h às 17h. Entrada gratuita. Informações: 3338-8807.

 

A escultura de Juscelino e Sarah Kubitschek fica em frente ao museu (Breno Fortes/CB/D.A Press)
A escultura de Juscelino e Sarah Kubitschek fica em frente ao museu
 

Memorial JK
Memorial reúne histórias sobre a construção de Brasília e a vida do ex-presidente Juscelino Kubitschek. O museu tem em seu interior objetos históricos que remetem ao período de construção da capital, além de objetos do ex-presidente, como sua faixa presidencial, medalhas. O vestido que a primeira-dama, Sarah, usou na posse do presidente também pode ser visto ali.

 

Os espaços interativos chamam a atenção pelos conteúdos audiovisuais, como um documentário sobre JK exibido de hora em hora. O memorial é um ótimo local de visita para quem pretende conhecer um pouco mais da história da cidade.
 
Memorial JK
Eixo Monumental, Lado Oeste, Praça do Cruzeiro. De terça a domingo, das 9h às 18h. Entrada: R$ 10 e R$ 5 (meia).  Informações: 3225-9451.

 

O museu oferece diversas atividades (Ana Cristina Campos/Arquivo do Museu Vivo da Memória Candanga)
O museu oferece diversas atividades
 

Museu Vivo da Memória Candanga
Museu Vivo da Memória Candanga foi inaugurado em 1990 como registro da memória dos candangos, operários que contribuíram para a construção de Brasília. Em 1957, o espaço era o Hospital Juscelino Kubistchek, para os trabalhadores.

 

O público pode conferir casas feitas de tábuas (como era nos acampamentos prévios da Brasília da década de 1950), parque infantil, auditório e salas de exposições permanentes com um acervo de objetos e fotografias da época da construção da capital desde seu princípio até a inauguração, em 21 de abril de 1960. O museu oferece também oficinas de artesanato e arte popular que acontecem todo semestre.

Museu Vivo da  Memória Candanga

Epia Sul, Lt. D, Núcleo Bandeirante. De terça a domingo, das 9h às 17h. Entrada gratuita.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES