Brasília-DF,
14/DEZ/2018

Festival Móveis Convida tem baladas, shows e apresentações de BGirls

O festival traz programação diversificada para o final de semana

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Adriana Izel Publicação:09/09/2016 06:45Atualização:09/09/2016 10:29
O cantor Thiago Pethit se apresenta hoje na festa Afete-se (Gianfranco Briceño/ Divulgação)
O cantor Thiago Pethit se apresenta hoje na festa Afete-se
 
Iniciada na semana passada, a 17ª edição do festival Móveis Convida chega ao fim, com três grandes programações: a festa Afete-se e os projetos Arena Convida e Movimentando a cena. O evento trará nomes de destaque da música nacional, como Thiago Pethit, Marcelo Jeneci, Tássia Reis, Carne Doce e Hellbenders, além de promover atrações locais.

A segunda edição de festa Afete-se é uma das programações do Móveis Convida. Desta vez, o evento teve uma ampliação com sete ambientes, em que se dividirão os palcos, as pistas de dança e ainda espaços para performances, exposições e instalações. “A festa tem como objetivo promover o encontro com as pessoas e pela diversidade, de gênero, musical. A gente busca essa noção de experiência”, explica Fábio Pedroza, produtor do festival Móveis Convida.

Marcado para as 20h, o evento terá a primeira atração a partir da 20h30, com o show de Kelton. Depois, a balada conta com os convidados Lee Ranaldo, Carne Doce (GO), Thiago Pethit (SP), Tássia Reis (SP) e Daniel Peixoto (CE), além dos DJs Carol Sterica, Mari Perrelli, Bate a5, Donna, Isn’t, Lucas Manga (GO), Lulu Praxedes, Fuzuê, Athena Ilse, Patrícia Gontijo e Cara o Quê?, do Titis.

O paulista Thiago Pethit traz à cidade pela segunda vez a turnê do disco Rock’n’roll sugar darling, de 2014, que tem canções como Perdedor, Story in blue e De trago em trago. “O show tem muita coisa forte, rock’n’roll e dançante. Na última apresentação dessa turnê em Brasília, achei o público muito entregue e que está sempre muito aberto ao meu trabalho”, afirma o cantor ao Correio.

Três perguntas//Thiago Pethit

Para você, como é fazer parte de uma programação de um festival que preza por tanta diversidade?

Gosto muito de tocar em festival, principalmente, e especialmente, quando é independente. Porque eu acho que festival é sempre uma espécie de coleta e retrato daquilo que está acontecendo na cena. É o lugar onde as pessoas descobrem novidades, entram em contato com a música, com novos artistas. É uma forma de dividir experiências com outros artistas e faz uma manutenção do cenário.

Seu mais recente álbum é de 2014. Você está trabalhando em algum novo material?

Não tenho nenhuma ideia para um novo disco. Mas não tenho nenhuma pressa. Meu último disco foi esse de 2014 e sinto que trabalhei temas que continuam sendo atuais. O Brasil está uma loucura, mudou muita coisa, mas ao mesmo tempo não mudou nada. O Brasil não andou muitos passos desde 2013. Se eu fosse fazer um disco agora, ele seria muito parecido com esse que eu já fiz. Não tenho nenhuma vontade para este ano.

Você se posiciona sobre o momento político atual do país?

Eu odeio ser discursivo, acho que escolher um lado faz parte. Mas se as pessoas não entenderem minha mensagem pelo meu trabalho não adianta eu ficar falando por aí o que penso. Se estou falando de viadagem, de ser afetado e fazendo rock'n'roll, eu não preciso fazer dizendo "fora Temer" para fazer meu discurso. Acho que tem muita coisa que tem que estar no trabalho do artista. A política é uma coisa do cotidiano, não só quando interessa. Não é só quando sou cobrado que tenho que falar disso. Por isso falo sobre política em meu trabalho e meu disco de 2014 continua de certa forma sendo atual em todos os temas políticas que estão em voga, sociais e econômicos. Então enquanto eu não sentir que tem uma nova atmosfera é como se eu não tivesse muito o que dizer.

Festa da música

O principal evento do festival é o Arena Convida, que reunirá 18 atrações amanhã, a partir das 19h, no Complexo Cultural Dulcina, no Conic. As bandas e artistas se dividirão entre os três palcos montados no local, intitulados Moab (em homenagem a Moab Cavalcanti, produtor cultural brasiliense morto no ano passado), Vai tomar no cover (do projeto homônimo que valoriza bandas locais autorais) e Praça.

No palco Moab, o som começa a partir das 20h, com Joe Silhueta e segue com as bandas Pedrinho Grana e Os Trocados, Bike (SP), Consuelo, Cuscobayo (RS) e encerra com a banda goiana Hellbenders. No palco Vai tomar no cover, os trabalhos têm início às 20h30 com a banda Calvet, que, em seguida, dará espaço para Rio Voadores, Sapatos Bicolores, The EgoRaptors, Lista Lily e Almirante Shiva. Já no palco Praça, a abertura fica com o grupo MOVNI e o encerramento com o projeto Baile Tropical #101. A noite ainda terá Ataque Beliz, Francisco El Hombre (SP), Marcelo Jeneci (SP) e Móveis Coloniais de Acaju.

Rap em São Sebastião

O projeto Movimentando a cena passou por quatro regiões administrativas durante o festival e chega no domingo até São Sebastião, com programação na Casa Frida. O Rap na Frida será um evento em valorização a resistência feminina e periférica. “Encerraríamos o festival no sábado. Mas resolver fazer uma ação em parceria com a Casa Frida no domingo, que é um local que aborda questões feministas. Vamos fazer um dia especial com as meninas do hip-hop para encerrar com chave de ouro”, completa Pedroza.

Para comandar o som foram convidadas as BGirls BellaDona, Jade VMG, Saphira e o grupo Batalha das Gurias. O dinheiro arrecadado com evento será destinado tratamento da Bgirl Branca, internada em estado grave na UTI do Hospital de Base de Brasília (HBB).

SERVIÇO

Festival Móveis Convida

Complexo Cultural Dulcina (Conic). Hoje, às 20h. Festa Afete-se com shows de Lee Ranaldo, Carne Doce (GO), Thiago Pethit (SP), Tássia Reis (SP) e Daniel Peixoto (CE). Entrada a R$ 30 e gratuita na primeira hora, mediante doação de 2kg de alimento não perecível (exceto sal, fubá e farinha). Valor de meia-entrada e primeiro lote. Não recomendado para menores de 18 anos.

Complexo Cultural Dulcina (Conic). Amanhã, às 19h. Com shows de 18 atrações nacionais. Entrada a R$ 30 e gratuita na primeira hora, mediante doação de 2kg de alimento não perecível (exceto sal, fubá e farinha). Valor de meia-entrada e primeiro lote. Não recomendado para menores de 18 anos.

Casa Frida (Rua 30, Casa 121, Vila Nova, São Sebastião). Domingo, às 15h. Com shows de BellaDona, Jade VMG, Saphira e Batalha das Gurias. Entrada franca mediante doação de 1kg de alimento e “pague quanto vale” (contribuição voluntária a partir de R$ 1 por pessoa). Classificação indicativa livre.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES