Brasília-DF,
01/JUN/2020

Em 2013, emissoras da tevê aberta assistiram à fuga do público e dos anunciantes

Raros são os lançamentos que empolgam, os programas tradicionais perderam força e as novelas não têm mais o fôlego de antigamente

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Publicação:29/12/2013 06:06
Os baixos números da audiência comprovam: 2013 não foi bom para as emissoras de tevê aberta. Novas plataformas de exibição, internet e tudo o que envolva tecnologia foram os vilões apontados pelos canais como responsáveis pela a debandada do público. A qualidade da programação também aparece como um dos motivos que leva os telespectadores a desligarem a televisão.

Raros são os lançamentos que empolgam, os programas tradicionais perderam força e as novelas não têm mais o fôlego de antigamente. O telespectador opta, então, por assistir séries na tevê a cabo, reality shows ou até mesmo passar um tempo longe do televisor ao invés de assistir ao Faustão ou ao Silvio Santos, por exemplo. As fórmulas parecem estar desgastadas e a crise é tanto de conteúdo, quanto de audiência e de faturamento.

Nos últimos anos, a Record comprou os direitos dos Jogos Pan-americanos e Olímpicos e contratou atores de peso da teledramaturgia nacional. Os efeitos de tantos gastos chegaram em 2013: ano de demissões e cortes de investimentos.

“Todo mundo está em crise. Não estamos quebrados, mas conscientes de que é preciso fazer alguns ajustes para que o faturamento não caia", assume Mafran Dutra, do comitê artístico da Record.

Situação parecida vive a Band, que teve de unificar os veículos por conta de uma reestruturação financeira. Somente a RedeTV! vive dias de relativa paz, após o rio de dívidas no qual nadou em 2012. Nem as novelas da Globo se salvam. A situação é tão inovadora que a trama das sete tem prejudicado o Jornal Nacional, que amarga a pior média de público da história. “Os fatores que revelam a audiência de um programa são complexos. Época de lançamento, chuvas, feriados, muitas coisas influenciam”, analisa Carlos Henrique Schroder, diretor-geral do canal.
Tags: celular

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES

EVENTOS






OK