Brasília-DF,
30/MAI/2020

Interpretar mocinhas sofridas é uma constante na trajetória de Paolla Oliveira; veja

Paolla acredita que sua mocinha em todos os momentos foi além do convencional e não apresentou sofrimentos sem razão

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Carta Z Notícias Publicação:31/01/2014 07:00
aolla Oliveira interpreta Paloma, em Amor a vida (Globo)  (Estevam Avellar/TV Globo)
aolla Oliveira interpreta Paloma, em Amor a vida (Globo)

Interpretar mocinhas sofridas é uma constante na trajetória de Paolla Oliveira. Não é à toa que, ao longo do tempo, a atriz paulistana de 31 anos já está acostumada a defender suas personagens. Como foi o caso da pediatra Paloma, de ''Amor à Vida". Mesmo com o grande destaque do vilão Félix, papel de Mateus Solano, Paolla acredita que sua mocinha em todos os momentos foi além do convencional e não apresentou sofrimentos sem razão. "Ela encontrou seu espaço dentro de um trabalho onde vários personagens podem brilhar, sem tirar, de forma nenhuma, o carisma que os vilões exercem hoje em dia. A força dela fez com que fosse muito querida pelo público", explica.

Após um longo e exaustivo período de trabalho, Paolla se mostra feliz com o resultado final da trama de Walcyr Carrasco, que estreou no horário das nove. "Fazer parte de um sucesso como esta novela não é só gratificante, mas também estimulante para qualquer ator", elogia. Desde sua estreia na Globo como a mimada Giovana de "Belíssima", a atriz tem ocupado o posto de protagonista com frequência, como foi em "O Profeta" e "Insensato Coração". No entanto, se diz mais focada no crescimento artístico do que no tamanho do espaço que tem em uma história. "O personagem é o mais importante. A possibilidade de mudança e de me transformar como atriz me atrai muito mais", ressalta.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES

EVENTOS






OK