Brasília-DF,
08/AGO/2020

Personagem de House of Cards se inspira em trabalho de William Shakespeare

A minissérie, por sua vez, fora inspirada em livro homônimo de Michael Dobbs, ex-integrante do Partido Conservador britânico

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Luiz Prisco Publicação:09/02/2014 07:01
O personagem Francis Urquhart, do House of cards britânico, é inspirado em Ricardo III (BBC/Divulgação)
O personagem Francis Urquhart, do House of cards britânico, é inspirado em Ricardo III

Enquanto você lê este texto, na tranquilidade do domingo, tradutores, dubladores e técnicos em 40 países do mundo trabalham enlouquecidamente para finalizar os últimos detalhes das adaptações dos 13 episódios de House of cards. Sim, o seriado é lançado simultaneamente em todas as nações em que o Netflix opera — o serviço de tevê por internet tem mais de 40 milhões de assinantes mudo afora — e tudo tem de estar pronto na próxima sexta.

Quem vê a revolução na indústria provocada por House of cards não imagina que as referências do produto audiovisual mais moderninho do momento remontam ao século 15.

O rei Ricardo III da Inglaterra (1452–1485), como descrito na peça escrita por William Shakespeare no século seguinte, foi inspiração para o ator escocês Ian Richardson dar vida ao papel de Francis Urquhart, na primeira versão de House of cards (BBC, 1990) para a tevê.

A minissérie, por sua vez, fora inspirada em livro homônimo de Michael Dobbs, ex-integrante do Partido Conservador britânico. Richardson, morto em 2007 aos 72 anos, já falava com a câmera no seriado — estratégia também usada por Kevin Spacey na série americana, para garantir cumplicidade e simpatia do espectador, mesmo para com os mais aterrorizantes estratagemas na busca pelo poder. Evitemos spoilers, mas vale uma espiada para conjecturar sobre o que vem por aí.

NA TRAMA

O original

Michael Dobbs, de 65 anos, autor do livro de 1989 que deu origem à minissérie britânica, começou a carreira política como assessor de Margaret Thatcher e terminou como líder do Partido Conservador.

O rei

Muso do ator escocês que deu vida ao deputado na versão britânica, Ricardo III é retratado em peça de Shakespeare que evidencia elementos importantes da teoria política, como persuasão, virtudes e vícios do príncipe, audácia,
astúcia e dissimulação.

O britânico

A versão britânica foi indicada a 14 prêmios Bafta — o mais importante do Reino Unido.

O pulo do gato

A partir do consumo do público — que vê vários episódios de uma só vez — , o Netflix desenhou a estratégia adotada. Com base nas informações, a empresa descobriu que quem gostava de David Fincher (Os homens que não amavam as mulheres e A rede social) gostava de Kevin Spacey. O Netflix mostra que não entrou na guerra para perder: uniu os dois, entregou todos os episódios de uma vez e caiu nas graças da audiência.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES

EVENTOS






OK