Brasília-DF,
04/JUN/2020

Danilo Gentili e Rafinha Bastos comandarão talk shows recheados de piadas polêmicas

Após a saída de Gentili da Band, Rafinha assumirá a bancada do programa Agora é tarde

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Publicação:23/02/2014 07:08Atualização:21/02/2014 14:10

Os humoristas já trabalharam juntos no programa CQC, na Band (Salvador Cordaro/Divulgação,Alexandre Schneider/Divulgação)
Os humoristas já trabalharam juntos no programa CQC, na Band

O início de março promete uma disputa interessante nas noites da tevê aberta. Estreiam nos dias 10 e 11, respectivamente, os novos talk shows de Danilo Gentili e Rafinha Bastos. Talentos revelados nos palcos do stand up comedy brasileiro e popularizados no CQC, eles retornam ao ar bebendo da mesma fonte e apostando em uma fórmula de sucesso no Brasil: a mistura de humor com entrevista.

Desde quando fechou contrato com o SBT, Danilo Gentilli gerou especulações não só sobre o que faria na emissora, mas também do que ocorreria com o antigo programa na Band, já que toda a equipe de produção do Agora é tarde o acompanhou na mudança. Apesar de todas as polêmicas (envolvendo alguns processos) o substituto na bancada escolhido foi Rafinha Bastos.

Do programa, apenas o nome se manteve. Estrutura e elenco foram modificados, mas o formato, desenvolvido por Gentili, Jô Soares e tantos outros humoristas que comandam talk shows, continua o mesmo. A aposta da Band é o jeito ácido de Rafinha. Em declaração à imprensa, o humorista expôs a vontade de levar um pouco do comportamento que tinha em A liga para o novo Agora é tarde.

O humor politicamente incorreto se estende a Danilo Gentilli, no The noite. A marca que lhe era característica continua, porém, segundo ele, com mais liberdade. Agora, há “mais infraestrutura e espaço” para fazer o que deseja. Outro ponto positivo alegado pelo humorista é a facilidade em conseguir entrevistados na nova emissora. “Já estamos fazendo convites e todos eles foram aceitos. Acredito que não vou ter problemas com isso aqui, que é um veículo maior”, conclui.

Duas perguntas Danilo Gentilli

Por que deixar a Band?

Estávamos passando por um momento delicado na Band. A emissora tinha reduzido pela metade a equipe de produção. Além disso, estava diminuindo salários.

Você tem medo de perder visibilidade com a troca?

A maior blindagem que posso ter é acreditar que o SBT é muito familiarizado com esse tipo de programa. A proposta foi tentadora e eles fizeram de tudo para que eu assinasse. Além disso, deram um upgrade no meu salário, que agora é pago em barras de ouro, que valem mais do que dinheiro (risos).

 

A Band é a grande responsável pelo destaque da sua carreira, principalmente por ter dado um programa solo para você apresentar. Como ficou a sua relação com a direção da emissora?

Sou muito grato à Band e a tudo que construí lá dentro. Mais do que agradecer com palavras, trabalhei duro lá. Apanhei pela Band, fui preso pela Band. Infelizmente, as coisas não saíram como o planejado. A emissora diz que vai me processar. Talvez porque o "The Noite" siga a mesma linha do "Agora É Tarde". O que eu acho um absurdo. Até porque não existe mais aquele programa. A equipe inteira saiu. Além disso, eu criei o conceito, o projeto, consolidei o programa na grade com bons índices de audiência e eles ainda vão continuar usando tudo, até o nome. Em qualquer lugar normal do mundo, em vez de me processar, eles deveriam me pagar "royalties" (risos).

No contrato com o SBT, você tentou se precaver com alguma cláusula que impeça as mudanças súbitas de horário, hábito comum na emissora?

Não há blindagem para isso. Quem manda é o Silvio (risos).

 

Mas você não tem receio de trocar de emissora na busca de crescimento e visibilidade e acabar fora do ar?

A maior blindagem que posso ter é acreditar que o SBT é muito familiarizado com esse tipo de programa. A emissora e sua diretoria entendem que esse formato deve ser transmitido de segunda a sexta, à noite. Foi o canal que construiu, consolidou e exportou o "talk show" na grade brasileira. Mas, se não der audiência e cortarem o programa, o problema está comigo. E aí eu não posso fazer nada. Outra coisa que me faz não ficar com medo é que a proposta foi tentadora e eles fizeram de tudo para que eu assinasse. Me sinto prestigiado.

Por quê?

A emissora assumiu minhas multas contratuais porque eu ainda tinha vínculo com a Band. Além disso, deram um "upgrade" no meu salário. Posso garantir que não é nada exorbitante, mas é pago em barras de ouro, que valem mais do que dinheiro (risos).

Assim que você foi para o SBT, foi divulgado que o nome do programa seria "Jô Soares Onze e Meia com Danilo Gentili". Essa opção realmente foi cogitada?

Minha ideia era que, pelo menos na primeira semana, o nome fosse esse mesmo. Era, ao mesmo tempo, uma piada e uma homenagem. E depois, com o programa já no ar, eu faria uma votação na internet sobre o nome do programa. Mas a direção não curtiu, achou uma ideia muito maluca (risos). Aí, quebramos um pouco a cabeça para chegar até o "The Noite". Queria um nome pequeno, simples e talvez com algo em inglês, para relembrar a raiz do "late show". Ficou assim.

E quanto à liberdade artística e de expressão? Você acredita que vai encontrar espaço para continuar fazendo o mesmo tipo de piadas?

A liberdade que estou tendo aqui é incomparável. O SBT faz piadas com marcas, o dono da emissora fica sem calças no programa dele... Acredito que aqui não tem tanta ligação política. Chegamos aqui para fazer o que quisermos, ninguém impôs limites. E, além dessa liberdade de expressão, tem um outro grande atrativo. O SBT é a única emissora brasileira a permitir que seus conteúdos sejam disponibilizados no Youtube. Essa mistura de internet e tevê já é velha conhecida minha e me agrada muito. E quanto às minhas piadas e às besteiras que falo, não ligo. Já tive muito problema em falar o que eu penso, mas, ainda assim, cheguei até aqui (risos).

 Você se diz um grande admirador dos "talk shows". Quais são suas maiores inspirações?


Com certeza, a maior referência é o Jô Soares. Quando eu era pequeno, não existia internet. Então, para mim, ele tinha inventado esse formato. E gosto muito da velha guarda, como o David Letterman. Acho que ele é muito melhor que o Jimmy Fallon, que é um cara mais novo e também está aí usando esse formato. Aliás, acho que a velha guarda é a melhor coisa que existe.

Como assim?

Acho que, pela primeira vez na história da humanidade, os jovens estão mais chatos do que os velhos. O Faustão reclama dos bastidores da Globo no "Domingão do Faustão". O Silvio Santos também fala o que pensa nos programas dele. Os jovens estão muito "coxinhas". A velha guarda é ousada, os novos são carolas demais, têm medo de ofender alguém. Existe uma cartilha do que pode ou não ser feito. Medo de processo. Onde já se viu humorista com medo de processo...

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES

EVENTOS






OK