Brasília-DF,
18/OUT/2017

Morte de Ayrton Senna continua comovendo os fãs do piloto de fórmula 1

Confira os destaques da coluna Eu vi!

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Diego Ponce de Leon Publicação:04/05/2014 06:08
 (Carlos Silva/CB/D.A Press)
Um domingo qualquer. Na maioria das casas, rola um almoço em família. As pessoas se reúnem em torno da televisão. Não há internet, nem celulares. A tevê aparece como meio principal de entretenimento. Olho nela. Todos.

Apareceu a notícia. Em todos os canais e programas, a mesma notícia. A mesma cena. O domingo inteiro. Não estava acostumado a ver meus pais e amigos abatidos, daquela forma. As pessoas se abraçavam muito. Toda hora.

No dia seguinte, a professora da escola pediu para os alunos escreverem uma redação sobre a notícia. Não se falava em outra coisa. Todos fizeram, calados.

Ela sugeriu, então, que cada um fosse para a frente da sala e lesse o texto. Ninguém conseguiu. Eram impedidos pelo choro. Soluçavam. Eram apenas crianças! Ali, entendi o quão difícil era se despedir de um herói. Ainda hoje, 20 anos depois, arrepia falar dele: Senna.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES

EVENTOS






OK