Brasília-DF,
20/OUT/2017

Rodrigo Andrade fala sobre ser cantor e ator

O galã se divide entre as duas artes e aposta que elas se complementam, não se opõem

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Vinicius Nader Publicação:14/08/2016 07:00Atualização:12/08/2016 18:32
Rodrigo Andrade gravará música com Jorge & Mateus (Melina Tavares Comunicação/Divulgação)
Rodrigo Andrade gravará música com Jorge & Mateus
 
 
A música e a interpretação estão lado a lado no coração de Rodrigo Andrade. O cantor, compositor e ator pode ser visto atualmente como o boêmio Fábio em Êta mundo bom!, novela que vem batendo recordes de audiência na faixa das 18h. “A leveza e a ingenuidade da novela chamam a atenção do público”, acredita.
 
Acostumado a tramas de época — Rodrigo esteve em Ciranda de pedra (2008) e no remake de Gabriela (2012) —, o ator conta ao Correio que gosta de aprender sobre o período em que vive o personagem. No caso de Êta mundo bom!, ele lembra que a composição foi “aos poucos” porque não sabia muito da personalidade de Fábio. “Li o livro Cândido ou o otimismo, de Voltaire, e assisti a muitos filmes da década de 1940, indo de Mazzapori a Casablanca”, lembra.
 
Mas foi em uma novela contemporânea que Rodrigo chamou a atenção de todos pela primeira vez. Em Amor à vida (2013) o personagem Daniel discutia o autismo e o preconceito contra gordos. “O nosso papel como artista é tentar diminuir cada vez mais o preconceito mostrando que todos somos iguais e que o amor deve estar acima de tudo”, filosofa Rodrigo.

Música

A infância de Rodrigo Andrade foi determinante para que a carreira artística fosse adotada. Neto de cantor sertanejo e filho de palhaço circense, a opção veio naturalmente. “ Sou apaixonado pelas artes desde que me entendo por gente”, declara.
 
A música sertaneja parece não ter deixado a vida de Rodrigo. Na adolescência, ele chegou a ter uma dupla que se apresentava em quermesses e feiras agropecuárias pelo interior de Minas e de São Paulo. O tempo passou, Rodrigo se dedicou à música, já lançou dois discos — Se7e e 30 anos —  e se prepara para gravar o DVD, com músicas do segundo. Algumas faixas como Facinho e Elemento surpresa já podem ser ouvidas na internet. Em Mentindo pra saudade, ele conta com a participação de Edson & Hudson. A dupla Jorge & Mateus também é parceira do galã.
 
Rodrigo não vê concorrência entre a música e a atuação.  “Quando vou estudar uma cena, sempre estudo com música, procuro dar uma melodia ao texto e não ficar reto, monocórdio. Quando estou cantando, preciso viver aquilo que a música diz para dar humanidade e não ser mais uma no mercado.”

QUEM É?

Nome: Rodrigo da Costa Andrade
Nascimento: 17 de dezembro de 1983 (32 anos)
Local: Altinópolis (SP)

Êta mundo bom está fazendo muito sucesso de audiência. O público está carente de
tramas mais leves?
 
R.C. Acredito que sim. A leveza e a ingenuidade da novela chamam a atenção do público.

O Fábio é seu terceiro papel em produções de época. Como faz para se preparar para esse tipo de trabalho?
 
R.C. Eu não tinha muita referência nem material nas mãos sobre o Fábio no início. Então li o livro Cândido ou o Otimismo, de Voltaire, e assisti a muitos filmes da década de 1940, indo de Mazzapori a Casablanca. Assim fui compondo ele aos poucos.

Em Amor à vida seu personagem estava ligado a duas discussões sérias: o autismo e o preconceito contra quem está acima do peso. Como vê essa interação entre a vida real e a arte? 
 
Acredito que a vida imita a arte e a arte imita a vida. O nosso papel como artistas é tentar diminuir cada vez mais o preconceito mostrando que todos somos iguais e que o amor deve estar acima de tudo.

O que apareceu primeiro na sua vida: a interpretação ou a música?
 
Na verdade os dois (risos). A minha família por parte de pai vem do circo e por parte de mãe da música. Sou apaixonado pelas artes desde que me entendo por gente.

Você se considera um cantor que atua ou vice-versa?
 
Acredito que uma arte complementa a outra e gosto de ser um artista que atua em qualquer palco. Procuro dar uma melodia ao texto para deixá-lo bom e não ficar reto, monocórdio. Já na música, quando estou cantando, preciso viver aquilo que a música diz para dar humanidade e não ser mais uma no mercado.

FOTO: Melina Tavares Comunicação/Divulgação
LEGENDA: Rodrigo Andrade gravará música com Jorge & Mateus

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES

EVENTOS






OK