Brasília-DF,
20/AGO/2017

Dia dos Pais: Nove opções para curtir a data ao lado do paizão

Confira seleção com boas opções para levar o pai para tomar café, almoçar, jantar e até tomar uma breja

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Rebeca Oliveira Renata Rios Publicação:11/08/2017 06:00Atualização:10/08/2017 17:29
Café na xícara ou no prato: bebida é usada para fazer bolo no Acervo Café (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Café na xícara ou no prato: bebida é usada para fazer bolo no Acervo Café


O Dia dos Pais é uma daquelas datas que não pode passar em branco, afinal, ninguém quer deixar o paizão sem atenção neste dia tão especial. Pensando na ocasião, o Divirta-se Mais resolveu dar uma mãozinha para os filhos, e sugerir locais que podem vir como uma mão na roda na hora de escolher o que fazer. As alternativas prometem atender a todos os gostos, desde um pai que prefere uma gastronomia mais leve, ou um café da manhã caprichado, até os que apostam em um bom vinho e um prato elaborado.
 
Se você e seu pai são daqueles que gostam de começar bem o dia, a dica é levá-lo para conhecer um novo espaço, onde o café é uma estrela do cardápio, como o Acervo Café. Outra dica um pouco mais tardia, o brunch da Boulangerie pode ser a pedida. Na casa, a refeição pode ser pedida a qualquer hora e conta com três versões.
 
Se definir um presente está sendo um problema, três casas apostam em mimos que podem amolecer o coração do papai. No Domaine Bar a Vin, os primeiros clientes a fazerem reservas ganham uma garrafa de vinho e um risoto. Já no Fogo de Chão, além de uma cortesia de rodízio para uma próxima visita, os clientes que fizerem reserva e tiverem mais de 21 anos ganham uma faca de churrasqueiro.
 
Um pai que não pode ficar de fora é o descolado. Esse que adora ir para um barzinho, curtir uns bons drinques, guarnecidos de petiscos moderninhos. Se o seu pai é desses, a dica é o Dudu Bar, que não só aposta em um mix de petiscos, ideal para atender a mesa de família, como oferece drinques, com e sem álcool, que agradarão pais e filhos na data.
 
Agora se ele é do tipo formiga e adora um docinho, o L’Amour du pain agrega uma variedade farta de pães artesanais a uma bela vitrine com diversas delícias da confeitaria francesa.
 
“But first, coffee”  
 
Existe uma expressão comum nas redes sociais: “but first,  coffee”, ou “primeiramente, um café”, em tradução literal. Muita gente se ancora a ela para justificar o hábito de tomar a bebida antes de começar as atividades rotineiras. Inclusive em datas comemorativas, como o Dia dos Pais.
 
Aos viciados de plantão, tomá-lo em novo espaço é sempre boa pedida para arejar as ideias. Aberto em junho, no Guará, o Acervo Café foi idealizado por Abigail Lins e Paulo Lins, mãe e filho apaixonados pelo grão e a cultura que o cerca. Intimista, o local tem apenas 10 lugares, mas deve crescer em breve.
 
Toda semana, eles investem em dois microlotes sazonais e diferentes, vindos de regiões brasileiras que se destaquem pela qualidade de terroir e matéria-prima. O grão é moído na hora, na frente do freguês. “É importante para que eles deem valor ao esforço dos produtores. Dessa forma, o café fica muito mais saboroso”, acredita Paulo Lins.
 
Quanto à forma de extração, ela depende das preferências do cliente. A hario V60 (coador com preços entre R$ 8 e R$ 17) gera uma bebida mais leve. O quitute tem café na massa e também no brigadeiro, usado tanto no recheio quanto na cobertura. É uma receita que Abigail Lins faz há 18 anos.

Arthur Gouveia e o pai, Arnaldo Barbosa, apostam nas cervejas e no mix de linguicinhas Berna para agradar
 (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Arthur Gouveia e o pai, Arnaldo Barbosa, apostam nas cervejas e no mix de linguicinhas Berna para agradar

Uma breja familiar 

Desde que deixou o jornalismo para investir em um bar de cervejas especiais, o BarHops, Arthur Gouveia percebeu uma nítida melhora na relação com o pai, Arnaldo Barbosa, que foi jogador de futebol por muitos anos. Com a empresa, os dois aprenderam a afinar o diálogo e chegar a um entendimento mútuo em diversas questões.
 
Enquanto o jovem fica no atendimento ao público, o pai atua na retaguarda dando apoio logístico. Completam o “time” o filho mais velho, Arnaldo Lima, e a mãe, Luzia Lima. No bar, há mais de 200 rótulos de brejas especiais das mais diversas origens, inclusive da capital. “A localização no Baixo Asa Norte nos ajuda bastante”, comemora Arthur. “Ele é inteligente, carismático e, por ser jornalista, sabe vender bem o produto”, derrete-se em elogios Arnaldo Barbosa.
 
Todos os dias, duas torneiras fornecem chope fresquinho extraído na hora. Esta semana está engatada a Fiapo, a IPA de manga da Corina Cervejas Artesanais. Com 300ml ou 500ml, a breja refrescante e aromática custa R$ 12 e R$ 16, respectivamente.
 
No Dia dos Pais, cada vez que pedir dois chopes da cervejaria goiana Originale (R$ 8, com 300ml; e R$ 10, com 500ml), do tipo lager, o cliente ganha o terceiro. Os dois vão bem com o mix de linguicinhas Berna. São quatro tipos do embutido suíno em versões menores com molho de mostarda e torradinhas da casa, perfeitas para petiscar, por R$ 35. Na seção de “batatíneas”, o destaque é a rústica, com casquinha crocante, temperada com ervas como alecrim, orégano e pimenta desidratada, por R$ 17.

O brunch  da La Boulangerie está disponível  na 306 Sul  e no CasaPark
 (Francisco Bronze/Divulgação)
O brunch da La Boulangerie está disponível na 306 Sul e no CasaPark

Um brunch a perder de vista 

O boulanger Guillaume Petitgas, da padaria La Boulangerie, e a chef Renata Carvalho, do Ancho Bistrô de Fogo e Loca Como Tu Madre, são vizinhos de quadra há cinco anos. Era comum vê-la frequentando a padoca (e, inclusive, usando as criações de lá em algumas receitas) e vice-versa.
 
Essa relação se estreitou desde o mês passado. A relação de amizade ganhou corpo. Foi quando a dupla inaugurou, em sociedade, o La Boulangerie Bistrot, situado no CasaPark. O brunch sem limitação de horário é um dos pontos altos do espaço, também presente na unidade da 306 Sul da La Boulangerie.
 
Diferentemente de algumas casas onde esse tipo de serviço está disponível no máximo até o fim do dia, o brunch do bistrô fresquinho na cidade é servido a qualquer hora.
 
Existem três alternativas. A mais completa, por R$ 46, tem uma bebida quente (café, chá, capuccino ou chocolate quente), suco de laranja, ovos mexidos, bacon, cesta de pães variados, manteiga, geleia caseira de fruta da estação, fatia de presunto royalle e queijo minas.
 
Pensando em um público que não para de crescer, uma das opções é vegana. Por R$ 34, bebida quente e suco de laranja se somam a pão francês, pão integral, ricota de tofu, geleia caseira de fruta da estação e salada de frutas com granola. “O brunch estendido foi uma necessidade minha. Trabalho até muito tarde e queria essa possibilidade”, conta Renata.

Adeus, frango da padaria. Alexandre Viana eleva a ave a outra potência no Santo Frango (Ed Alves/CB/D.A Press)
Adeus, frango da padaria. Alexandre Viana eleva a ave a outra potência no Santo Frango

Frango assado de lei

Tradução de um almoço informal em família, o frango assado de domingo ganhou outro patamar há cerca de dois anos, quando Alexandre Viana abriu as portas do Santo Frango, na 506 Norte.
 
A grande estrela do cardápio é a ave que dá nome a casa. Nascido no Piauí, o cozinheiro autodidata trouxe a receita do frango “abençoado” na bagagem quando se mudou para Brasília, aos 20 anos. Há duas formas de consumir a estrela do cardápio.
 
Nos dois casos, o frango é assado e coberto por uma mistura de 70% de parmesão e 30% de queijo coalho, um “blend” que Viana descobriu após incontáveis testes. “No Nordeste, é comum assar o frango na churrasqueira apenas com o queijo coalho, mas os que eu encontrava em Brasília não davam a mesma aderência”, conta.
 
Inteiro e desossado com vinagrete, farofa e outros quatro acompanhamentos, ele custa R$ 98. Mais modesta, a versão para dois custa R$ 63 e tem o mesmo vinagrete e farofa. A eles, podem ser acrescidos duas guarnições. Em ambos, as opções são vastas: arroz, baião de dois com queijo coalho, batata e polenta fritas, feijão-tropeiro, salada de batata, espaguete ao alho e óleo ou ao pomodoro com manjericão, salada verde, seleta de legumes ou milho refogado na manteiga.
 
Sucos naturais, como o de limão com hortelã (R$ 10, 600ml; ou R$ 5,50, com 150ml), são as bebidas recorrentes pedidas pela freguesia. Se a preguiça bater, o Santo Frango agora conta com serviço de delivery também no período noturno, de quinta a sábado.

O churrasco, paixão nacional, vem como uma bela alternativa nesta data (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
O churrasco, paixão nacional, vem como uma bela alternativa nesta data
 
Do fogo para a mesa

Seu pai nem precisa ser gaúcho para apreciar um bom churrasco e, para o Dia dos Pais, a Fogo de Chão promete, além de uma refeição deliciosa e farta, um bom presente. “Todos os patriarcas que estiverem para um almoço ou jantar no Dia dos Pais ganharão um cartão de cortesia para um rodízio completo, que valerá para a próxima visita à casa. Também ganharão a exclusiva faca do churrasqueiro, a mesma utilizada pelos profissionais da rede”, garante Cassio Silva, diretor de operações do Brasil.
 
Já na hora de comer, a casa trabalha com o rodízio (R$ 138, por pessoa; crianças até 7 anos não pagam; crianças entre 7 e 12 anos pagam R$ 60 — exceto às sextas e sábados, que acompanhadas de um adulto pagante, o delas sai de graça).
Entre os cortes mais solicitados na casa estão a fraldinha, a costela premium, a picanha, o cordeiro e a costela gaúcha, mas a qualidade dos preparos servidos vai muito além do corte. “Tudo começa com um rigoroso processo de seleção de fornecedores. Optamos pelo gado rastreado”, finaliza Cassio Silva.

Aberto há uma semana, Tieta celebra receitas e bebidas tipicamente tupiniquins (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Aberto há uma semana, Tieta celebra receitas e bebidas tipicamente tupiniquins

Resgate à brasileira

Inaugurado há uma semana, o restaurante Tieta quer promover um resgate da cultura brasileira. Não apenas por batizar a casa com o nome de uma das personagens mais icônicas criadas pelo escritor Jorge Amado, mas também por reverenciar pratos que traduzem a alma tupiniquim.
 
Um deles é o virado à paulista, receita que combina arroz, tutu, linguiça, bisteca suína, ovo, banana empanada, torresmo e couve a R$ 31,90 (individual) ou              R$ 59,90 (para duas pessoas). “O simples e bem-feito, para nós, é o melhor”, explica Carlos Alexandre, sócio de Fabíola Martins Albuquerque na empreitada.
 
A harmonização segue a linha verde e amarela. A caipirinha custa R$ 13,90. Com vodca, o preço sobe para R$ 19,90. No domingo, os pais que conhecerem o novo estabelecimento ganham uma banana split com um toque da casa. Em vez de in natura, a fruta que envolve sorvete de baunilha é servida “à milanesa”, recoberta por açúcar e canela.

No Domaine Bar a Vin, Daiany Barbosa, a proprietária, promete que as primeiras reservas ganham um risoto e uma garrafa de vinho (Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
No Domaine Bar a Vin, Daiany Barbosa, a proprietária, promete que as primeiras reservas ganham um risoto e uma garrafa de vinho

Vinho e um bom risoto

Na hora de escolher qual preparo seria o eleito para prestigiar os pais nesta data tão especial, a proprietária do Domaine Bar a Vin, Daiany Barbosa, não quis sair do seguro e apostou no aclamado risoto de filé-mignon para a data. “O prato foi retirado do nosso cardápio de inverno, que entrou no fim de julho e fica temporário até o dia 12 de agosto. Nele, a gente tem três pratos e vimos que o risoto de filé era o mais coringa deles”, explica.
 
O preparo é feito com cubos de filé-mignon, cenoura e cogumelos Paris (R$ 34). “Como este prato é encorpado, a ideia do vinho tinto, o La Croix, se encaixa perfeitamente por ser um vinho francês, ou seja, velho mundo. A uva predominante é a Tempranillo, encaixe perfeito com carnes, queijos e massas”, comenta. A quem se interessou pela bebida, um bônus: no Dia dos Pais, para as primeiras 40 reservas feitas para esta semana, o cliente ganha um risoto e uma garrafa do vinho citado.
 
Já se a ideia é petiscar, são diversas as opções no cardápio fixo do winebar, como o crudo de salmão em molho oriental (R$ 25) e a espetada de polvo com batata bolinha na chapa e azeite de carvão com maionese de páprica (R$ 27). Vale também conferir as alternativas de vinho em taça, para quem desejar experimentar uma variedade de bebidas.

O pot-pourri de aperitivos é uma alternativa no Dudu Bar. Assim como a carta de drinques da casa, o petisco promete agradar a toda família ( Ed Alves/CB/D.A Press)
O pot-pourri de aperitivos é uma alternativa no Dudu Bar. Assim como a carta de drinques da casa, o petisco promete agradar a toda família

Com petiscos e drinques

Para o dia dos pais, nada de indecisão no Dudu Bar. A casa preparou um mix especial de petiscos: o pot-pourri de aperitivos (R$ 59,90). No preparo, o cliente encontra queijo coalho grelhado com geleia de pimenta e farofa de alho crocante; trilogia de pastéis, com carne, queijo e palmito; camarão empanado no coco ao molho de gengibre e tamarindo; mix de brusquetas (tomate, aliche e manjericão), berinjela, e queijo brie, mel e amêndoas; e o pato no pomar, que é um pastel de pato na massa de wantan com molho de maracujá e pimenta dedo-de-moça.
 
“No Dia dos Pais, costumam ter mesas grandes, então, montamos um aperitivo que pode ser compartilhado entre três ou quatro pessoas e que atenda a todos”, explica o gerente da casa, Ivanildo Carvalho. Claro que, com a carta de drinques tão completa, não poderia faltar uma harmonização. Com os petiscos Carvalho sugere o Elvis Presley                 (R$ 29,90), que leva uísque, licor Disaronno, gotas de limão e vermute. “Ele é um drinque de corpo médio, puxando um pouco para um sabor mais seco, e que leva uísque, uma bebida que muitos pais apreciam.”, explica o gerente.

No L'Amour du pain, o chocolate quente, com creme de uísque, dá um toque especial para a bebida (Ed Alves/CB/D.A Press)
No L'Amour du pain, o chocolate quente, com creme de uísque, dá um toque especial para a bebida

Chocolate para maiores 

No dia dos  Pais vale apostar em uma sobremesa! A data é tão boa quanto qualquer outra para “se jogar” nos doces, em especial se eles são parte da vitrine da L’Amour du pain. Na casa, a aposta é a confeitaria francesa, que chega em diversas formas, cores e sabores, todos disponíveis à vista, para o cliente poder comer com os olhos antes de tomar sua decisão.
 
Durante o inverno, a casa está servindo um chocolate quente diferenciado. O chocolate escocês (R$ 19) é feito com creme de uísque, além de baunilha, chocolate e chantilly. “Queria uma coisa mais suave que o irish           coffee. Por isso, pensei no chocolate. O trio baunilha, o chocolate e o uísque combinam muito bem, ainda faço o chantilly sem açúcar, o que deixa a bebida mais neutra”, explica Serge Segura, proprietário da casa.
 
Ele ainda sugere, ao cliente, apostar na sobremesa Le circle rouge (R$ 14,90), nome dado à massa de biscuit de pistache, framboesas frescas, creme de mascarpone com baunilha e teia de avelã, amêndoas e laranja. A combinação é assinada por Remi Champion, chef responsável pelos doces no local. “Essa é uma sobremesa muito suave, feita com framboesas frescas, o que garante um frescor e leveza para o prato”, explica o proprietário. Ele ainda alerta: por ser uma sobremesa com frutas frescas ,ela fica sujeita à disponibilidade.
 
Onde comer
 
Acervo Café 
(QE 40, Conj. H, Lt. 18, Guará 2; 99665-5588), aberto de terça a sexta, das 13h às 21h; sábado, das 14h às 22h; e domingo, das 10h às 20h. No dia 13, excepcionalmente, aberto das 14h às 20h.

L’Amour du Pain 
(115 Sul, Bl. B, lj 10; 3525-5909) aberto diariamente, das 7h às 22h.
 
BarHops 
(409 Norte, Bl. A, lj. 19; 3209-1888), aberto de segunda a sábado, das 17h às 2h. Excepcionalmente no dia 13, aberto das 14h às 2h.
 
La Boulangerie 
(306 Sul, Bl. B, lj. 10; 3244-1394), aberto de segunda a sábado, das 7h às 20h, e domingo, excepcionalmente para o Dia dos Pais; (La Boulangerie Bistrot, SGCV Sul, Lt. 22, CasaPark), aberto de terça a domingo, das 7h às 21h.
 
Domaine Bar a Vin 
(104 Sul, Bl. A, lj 23; 3321-1120), aberto de segunda a sábado, das 17h à 0h; excepcionalmente no domingo, das 17h à 0h.
 
Dudu Bar 
(303 Sul, Bl. A lj 3; 3323-8082), aberto de segunda a quarta, das 12h às 15h e das 18h à 0h; quinta, das 12h às 15h e das 18h à 1h; sexta e sábado, das 12h às 2h; domingo, das 12h às 17h.

Fogo de Chão 
(SHS, Q. 5, bl. E; 3322-4666), aberto de segunda a quinta, das 12h às 16h e das 18h às 22h30; sexta, sábado e domingo, 
das 12h às 22h30.
 
Santo Frango 
(506 Norte, entrada pela W2, 3201-1100), aberto de terça a domingo, das 11h30 às 15h30. Delivery de quinta a sábado, 
das 18h às 22h.

Tieta Comida Brasileira 
(QE 13, Conj. H, Guará 2), aberto de segunda a sábado, das 11h às 16, e das 18h à 1h; e domingo, das 11h às 18h. 
 


COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES