Brasília-DF,
20/NOV/2019

Busca por ascensão social move família em 'Parasita'

Pais e filhos desenvolvem um plano para se infiltrar em uma família burguesa e desfrutar da riqueza alheia

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:08/11/2019 06:01Atualização:07/11/2019 19:36
Uma facção de Parasita chafurda a fim de obter sinal de internet (CJ Entertainment/Divulgação)
Uma facção de Parasita chafurda a fim de obter sinal de internet

É quase aritmética a votação de Parasita, com escolha unânime, para a Palma de Ouro no Festival de Cannes. O filme que estreia nesta sexta-feira (8/11), com a sempre violenta assinatura de Bong Joon Ho (O hospedeiro), vem a reboque de dois (premiados, em anos anteriores) ácidos exemplares que compreendem embates entre classes. Em 2017, venceu o sueco The square: A arte da discórdia e, em 2018, o japonês Assunto de família. Temas de ambos são refletidos em Parasita, vencedor de 2019.

Com fotografia e direção de arte estupendas (que dá extremo realismo para ambientes de abonados contra o clima teatral no exame da realidade dos pobres), Parasita apela para a radicalidade no choque entre abonados e desfavorecidos. A arte conceitual (tema de The square) está englobada em Parasita, por meio da exploração da arquitetura que transborda conforto para a família (quase imperial) do ausente empresário Sr. Park. Já, amontoados (a exemplo dos protagonistas de Assunto de família), os integrantes do núcleo Kim opera no limite da miséria; com todos desempregados.

Confira as sessões do filme

Tal como cobras, os Kim partem para a ofensiva, se aninhando no terreno do suposto inimigo. Até na quantidade e na formação, as famílias parecem antípodas (como visto no assustador Nós, filme de Jordan Peele). Favorecendo a violência gráfica e um mundo afeito à encenação (com poder desmedido para a internet, na trama), o diretor coloca detestáveis discursos na boca do senhor Park. Ele vê seu castelo de riquezas como impermeável ("empregados não cruzaram linhas" e têm odores diferenciados). Em suma, ele é uma figura detestável. No andamento, as situações que o rodeiam irradiam humor, aventura, muitas reviravoltas e crítica social.

A falta de oportunidades contrasta com a opulência, em Parasita. O endeusamento de uma criança, por exemplo, é perturbador, quando se decifra o miolo da família do Sr. Park. Um radicalismo chocante está no clã dos Kim: eles absorvem o discurso de ódio de Coringa (atualmente em cartaz) e o potencializa às últimas raias, efetivado. E lá vem o diretor sul-coreano Joon Ho provocar: associa gentileza ao excesso de dinheiro, enquanto situações de crimes e de impunidade se veem jogadas para baixo do tapete. No polarizado universo, caberia ao espectador torcer por um lado?




COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

BARES E RESTAURANTES