Brasília-DF,
23/AGO/2017

Em nova tentativa nos cinemas, Fábio Porchat navega nas águas de sempre

Por mais que a diretora estreante Julia Rezende insista em dizer que é uma comédia romântica, Meu passado me condena abusa do mesmo estilo de outros sucessos

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Diego Ponce de Leon Publicação:25/10/2013 06:00Atualização:24/10/2013 15:36
Fábio Porchat e Miá Mello representam eles próprios no longa, dirigido por Julia Rezende (Lucas Melo/Divulgação)
Fábio Porchat e Miá Mello representam eles próprios no longa, dirigido por Julia Rezende

Adora Fábio Porchat? Não perde um vídeo dele na internet? Simpatiza com a graciosidade da Miá? Então, vá para o cinema feliz e se divirta horrores. Escolha certa. Se estiver à procura de uma nova abordagem, uma outra forma de comédia, é melhor ficar em casa. Por mais que a diretora estreante Julia Rezende insista em dizer que é uma comédia romântica, Meu passado me condena abusa do mesmo estilo que permeia sucessos como Até que a morte nos separe (2012) e Cilada.com(2011).

Talvez um dos diferenciais da fita seja o principal erro. Explica-se: no longa, Fábio e Miá representam Fábio e Miá. Os personagens receberam o nome dos atores. Original. O problema foi que, aparentemente, a manobra estimulou pouco os artistas, que promovem uma tímida (ou nenhuma) construção cênica. Vale enaltecer a tentativa de Marcelo Valle e Inez Viana, os únicos que se aproximam de uma composição de personagem.

Considerando as circunstâncias de filmagem em um navio com 3 mil pessoas, a direção funciona, apesar do apelo para constrangedores trechos de dublagem. No mais, uma trilha sonora estimulante, belas paisagens (em vários sentidos) e a velha comédia de sempre, embora camuflada. Hilária para alguns, enfadonha para outros.


Duas perguntas para Fábio Porchat

Só a comédia funciona no cinema nacional?

O gênero comédia no nosso cinema não é recente. Vem desde o Grande Otelo, das chanchadas… sempre foi o que deu público. Acredito, porém, que temos que variar as comédias. Fiz o Vai que dá certo, que era algo em grupo, depois Meu passado me condena, uma comédia romântica, vai sair um filme com o pessoal do Porta dos Fundos. Quanto mais tipos dentro da comédia, mais rico, mais variado. Não gosto de fórmulas. O cinema americano anda em decadência, inclusive, por isso. Não inovam.

Há uma preocupação com o personagem, ou apenas uma transposição do próprio Fábio Porchat?

Depende do trabalho. Em alguns, há composição de personagem. Outros não. A ideia é que seja um desafio. Quando fiz O concurso, por exemplo, tentei usar menos as mãos, já que gesticulo demais. Farei um filme chamado Um homem entre abelhas, que é uma tragicomédia. Mais sério. Sou ator e invisto nesses múltiplos caminhos.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES