Brasília-DF,
23/AGO/2017

Roteiro e direção balançam padrões morais no longa Jovem e bela

Tal qual no recente Dentro de casa, o exame de privacidade toma conta da nova narrativa do filme

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:06/12/2013 06:04Atualização:05/12/2013 15:10
Roteiro e direção balançam padrões morais com a garota Isabelle (Marine Vacth)  (Europa Filmes/Divulgação)
Roteiro e direção balançam padrões morais com a garota Isabelle (Marine Vacth)

Saiba mais...
Foi justo pela degeneração familiar que o diretor François Ozon abriu caminho para a ampla carreira, há 15 anos, com Sitcom. Tal qual no recente Dentro de casa, o exame de privacidade toma conta da nova narrativa. A pungência juvenil reveste, por igual, a trilha de férias da linda Isabelle (Marine Vacth), resguardada pela família. Tudo idílico, até o “está feito”, declamado por Isabelle e que marca a abrupta maturidade, tão logo perde a virgindade.


Em estilo documental, o filme concorreu na última edição do Festival de Cannes, o diretor recorre à poesia de Arthur Rimbaud para cantar o descompromisso típico da juventude. Mas a verdade não é tão clara e estabelecida. Não há carências econômicas em jogo nem tampouco uma retidão moral que reprima a moça. O diretor pretende confrontar níveis de hipocrisia, balançando até mesmo os do espectador. O cineasta se alterna entre a inocência renegada e cenas de fortes impressões.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES