Brasília-DF,
25/JUN/2017

'A fita azul' debate mudanças hormonais e descobertas da adolescência

Protagonista da trama, a adolescente mórmon Rachel (Julia Garner) acredita ter ficado grávida do cantor de uma música ouvida em um aparelho de som

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Yale Gontijo Publicação:24/01/2014 06:01Atualização:23/01/2014 12:53
Rachel (Julia Garner): deslumbrada com a vida além da comunidade mórmon (Live Wire Films/Divulgação)
Rachel (Julia Garner): deslumbrada com a vida além da comunidade mórmon

A diretora e roteirista Rebecca Thomas encontrou um jeito original de falar sobre mudanças hormonais e descobertas da adolescência. A protagonista de A fita azul, a adolescente mórmon Rachel (Julia Garner), acredita ter ficado grávida do cantor de uma música ouvida em um aparelho de som obsoleto — no caso, um tocador de fita K7. Entre as restrições severas da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, está a abstenção do uso de tecnologias eletrônicas.

Saiba mais...
Deixando a comunidade, Rachel se depara com os avanços do século 21. Rebecca, a diretora, sabe como enquadrar seus prisioneiros saindo em “condicional”, mas o investimento constante no deslumbramento dos personagens com as maravilhas e horrores do mundo exterior enfraquecem a força da trama.


É preciso acreditar na realidade deste filme, mas é difícil se envolver por muito tempo em um roteiro de situações repetitivas. Embora exista o esforço da discussão sobre “verdades” e “moral”, sobra o vazio sem comentários políticos consistentes sobre manipulação religiosa, a exemplo de A vila (2004), de M. Night Shyamalan.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES