Brasília-DF,
20/JUL/2017

Roubo de obras de arte é tema de filme estrelado por Bill Murray e George Clooney

Em Caçadores de obras-primas, embebidos de heroísmo, homens de arte querem assegurar a perenidade da estátua de Davi e a graça do eterno sorriso da Monalisa

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:14/02/2014 06:04Atualização:13/02/2014 15:11
Bill Murray completa elenco de estrelas (Fox Filmes/Divulgação)
Bill Murray completa elenco de estrelas

Quem deu crédito à porção diretor do ator George Clooney melhor ficar em guarda, diante do (com o perdão do trocadilho) filme uniforme que ele assina, Caçadores de obras-primas. Sem muito conflito — apesar de arraigada à Segunda Guerra —, a trama se afirma num plano panfletário, contrariando a pegada dos anteriores Tudo pelo poder (2011) e Boa noite e boa sorte (2005).

Sem a marotice do Tarantino de Bastardos inglórios, Clooney prefere trilhar um caminho seguro, ao lidar com fatos, no retrato da glorificada trajetória de militares de ocasião que salvaram mais de 5 milhões de peças de arte da maquinaria nazista que, assentada em saques à la pirataria, pretendia instaurar o Museu do Fuhrer.

Embebidos de heroísmo, homens de arte querem assegurar a perenidade da estátua de Davi e a graça do eterno sorriso da Monalisa. Obras escoadas à revelia, por roubos feitos em locais como a Galeria Nacional Jeu de Paume (Paris), mostram como “Göring foi às compras” (com a rara pontuação divertida do roteiro).

Num discurso modesto — embalado pela arte como “pilar da sociedade” —, George Clooney luta para garantir reconhecimento para “participantes ativos” da Segunda Guerra, em oposição a meros títeres de retaguarda bélica. Existem, em cena, as minas terrestres, os barris de ouro de dentes de judeus e a pretensa emoção de arrastada cena ao som de Have yourself a merry little Christmas.


Mas tudo é muito planificado, na discussão, em última instância, do que valeria mais: um quilo de ouro, um quilo de arte ou quilo de explosivos? Ninguém tem dúvidas, diante de A Última Ceia e de O retábulo de Ghent em situação de risco. Isso, independentemente de marasmo e comedimento impressos na tela.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES