Brasília-DF,
18/OUT/2017

Copa de elite brinca com situações de filmes como 2 filhos de Francisco

É nos detalhes (muitos despercebidos) que reside parte da comédia do longa com roteiro de Pedro Aguilera

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:18/04/2014 06:00
Cena faz referência à comédia Se eu fosse você (Fox Filmes/Divulgação)
Cena faz referência à comédia Se eu fosse você

“Este papa está no papo”, comenta um dos personagens de Copa de elite — com o santo padre na mira de uma arma. No humor arriscado, com boa dose de originalidade — qualidade forte para uma proposta de sucessivas paródias —, o diretor brasiliense Vitor Brandt emplaca pitadas de graça no filme de estreia. Sob escudo de “muita arma, muita pressão e muita masculinidade” (as bases do Bop, assim, sem o “e”), Jorge Capitão (Marcos Veras) entra em campo aliado à empresária do sexo e ex-prostituta Bruna Alpinistinha (a divertida Júlia Rabello).

Saiba mais...
Com algo de Agente 86, a trama incorpora a existência do primeiro “vibrador atômico do mundo” (alguém lembra de A bomba que desnuda?). Desvinculado do humor meio lacunar (passada a moda das gags em cima de outros filmes), Copa de elite tem vida própria, ainda que brinque, de modo eficiente, com fitas como Se eu fosse você e 2 filhos de Francisco. Do primeiro, vem a cena das misturas de almas (e trocas de personalidades e corpos), no meio da rua, enquanto, do outro, resta muita galhofa sobre o passado de Jorge Capitão.


É nos detalhes (muitos despercebidos) que reside parte da comédia do longa com roteiro de Pedro Aguilera. Do Chico Xavier interpretado por Bento Ribeiro usando Ray-Ban ao papa de chuteiras brancas (em inaugural partida de futebol), passando pelo protótipo da mascote da Copa, “Furico”, em prateleira de sex shop. No elenco, Daniel Furlan (o Zero Dois), Thammy Miranda (a presidiária) e Victor Leal — um major que, entre um universo de mazelas familiares, tem um filho “vascaíno” — chamam a atenção. O mesmo não pode ser dito de Rafinha Bastos, no ingrato papel do convencido e insuportável ator brasileiro agraciado com um Oscar.

Nos acertos, brota a comédia sutil e debochada (mas, rara), por exemplo, do comentário do invicto Vaticano, quando entra em campo, haja vista a dizimação dos índios. Num filme em que as melhores piadas parecem retidas no papel, há espaço para participações infames, como Molejo, Buchecha, Daniel e Leonardo.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES