Brasília-DF,
18/DEZ/2017

Personagem de Caio Castro busca no judô a redenção, em 'A grande vitória'

Com infância humilde e conturbada, e após diversas confusões, homem procura solução nas artes marciais.

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:09/05/2014 06:01Atualização:08/05/2014 13:03
A Grande Vitória tras o esporte como escape para história de jovem judoca (Fernanda Santiago/Downtown Filme)
A Grande Vitória tras o esporte como escape para história de jovem judoca

Farto em idas e vindas no tempo, A grande vitória, de Stefano Capuzzi Lapietra, só traz claro o patético invólucro do melodrama barato: um menino desajustado entra para o judô a fim de receber um corretivo da vida, capaz, diga-se de passagem, de já haver lhe aplicado um duro golpe - o pai negligente (Domingos Montagner, ileso) partiu com a caravana do parque de diversões Alegria.

Saiba mais...

Gente que faz, a exemplo da mãe, o personagem de Caio Castro (o jovem judoca) recebe, via osmose e persistência, conselhos de um "filósofo de roça" (como ele define), o treinador de judô vivido por Tato Gabus Mendes.

"O verdadeiro campeão vence a si mesmo" e "onde há uma vontade, tem um caminho" são algumas das deixas da cartilha da vida de uma fita que não gera empatia, por não haver personagens, mas decalques de tipos, perseguidos pela sonoridade transbordante de uma trilha sonora sem nada de unidade. Vá lá, as cenas de luta não constrangem. Há uma sequência (na arquibancada), porém, em que nem os atores parecem estar convencidos da possibilidade de levar algo a sério na produção.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES