Brasília-DF,
20/JUL/2017

Êxodo: deuses e reis apresenta a história de Moisés com realismo

O diretor Ridley Scott aprendeu com o fracasso de Noé e investiu em tons mais realistas no longa

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Yale Gontijo Publicação:26/12/2014 06:30
Christian Bale se entrega à interpretação do religioso
 (Fox Film/Divulgação)
Christian Bale se entrega à interpretação do religioso

Como refrescar uma história amplamente conhecida e narrada infinitas vezes nas escolas dominicais e pela sétima arte? Produções cinematográficas baseadas na Bíblia costumam ser grandiosas e caras para compensar o fato de que todos já sabem o desfecho das narrativas. É assim desde o princípio dos tempos. Nos últimos anos, no entanto, a estratégia da indústria pode estar falhando. Foi assim com o dilúvio do ano: Noé, de Darren Aronofsky, afundou nas bilheterias, arrecadando apenas US$ 362 milhões.

Talvez por essa razão Ridley Scott, cineasta experiente, tenha decidido usar tons realistas em Êxodo: deuses e reis — título dedicado à vida de Moisés (Christian Bale), o homem responsável por libertar os judeus no Egito. Mesmo quando a tela é inundada pelos efeitos especiais usados para representar a devastação das sete pragas ou a abertura do Mar Vermelho, a intenção da fita é representar com realismo.



A mesma preocupação perpassa a interpretação de Christian Bale na pele do general do exército egípcio banido da corte ao se descobrir hebreu, povo escravizado pelo regime do faraó Ramsés (Joel Edgerton). É esse pertencimento que Moisés precisa internalizar nos encontros com um Deus menino.

Nos momentos em que o roteiro dirigido por Scott aborda Deus é que a fita abre espaço para interpretações menos simplistas do texto bíblico. É corajoso representar a fé na figura de um líder importante para as três maiores religiões monoteístas (cristianismo, judaísmo e islamismo) sem precisar deixar de reverenciá-lo.

Você sabia?

O filme é dedicado ao irmão de Ridley Scott, o cineasta Tony Scott, morto em 2014.

A escalação de atores brancos foi motivo de polêmica nos EUA. Muitos observaram que os egípcios têm a pele mais escura do que as pessoas que aparecem na tela.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES