Brasília-DF,
27/MAI/2017

Confira a crítica do longa O Exterminador do Futuro: Gênesis

Filme acerta ao trazer Arnold Schwarzenegger de volta à franquia, porém erra ao apresentar trama complicada

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Anna Beatriz Lisbôa - Especial para o Correio Publicação:03/07/2015 06:16
Idas e vindas no tempo complicam o roteiro do longa de Alan Taylor (Melinda Sue Gordon/Divulgação)
Idas e vindas no tempo complicam o roteiro do longa de Alan Taylor
A trama de O exterminador do futuro (1984) era simples: uma máquina assassina é enviada do futuro para matar a mãe de um líder revolucionário. Para sobreviver, ela contará com a ajuda de um guardião que também chega de uma viagem no tempo. Ao longo de 30 anos - e cinco filmes -, a franquia tornou-se excessivamente complicada, com personagens demais e ação genérica. Após a má recepção dos dois filmes anteriores (O exterminador do futuro - A salvação e O exterminador do futuro 3: A rebelião das máquinas), o diretor Alan Taylor tomou para si a responsabilidade de voltar às origens da saga em O exterminador do futuro: gênesis.

A história, no entanto, tornou-se ainda mais confusa: Gênesis começa no futuro pós-apocalíptico, mas é também um filme de época (reproduzindo em detalhes o início do filme de 1984), até que finalmente estaciona em um futuro próximo, o ano de 2017. Skynet não é mais uma máquina de guerra nuclear, mas uma ameaça digital, na forma de um aplicativo onipresente na vida das pessoas.

O digital, aliás, é o grande inimigo do ciborgue de esqueleto metálico e pele humana interpretado por Arnold Schwarzenegger, desde o genial O exterminador do futuro 2: O julgamento final (1991). A truculência mecânica de Schwarzenegger por pouco conseguiu eliminar o corpo metamorfoseante do aprimorado robô de metal líquido interpretado por Robert Patrick. Neste filme, é um vilão meio homem, meio monstro digital que desafia o ciborgue de cabelos brancos. Ele insiste, mais de uma vez: “Estou velho, não obsoleto.”

Ainda que seja interessante assistir a esse enfrentamento tecnológico, a bizarra cronologia do filme acrescenta complicações desnecessárias. Como Sarah Connor, Emilia Clarke faz o possível para sustentar a personagem criada por Linda Hamilton. De olho no público adolescente (ou até infantojuvenil, já que a classificação indicativa do filme no Brasil é de 12 anos), o longa perde em violência (mas não em pirotecnia), tentando desenvolver uma espécie de drama familiar, já que o Exterminador se transforma em uma inusitada figura paterna para Sarah.

Veja o trailer de O Exterminador do Futuro: Gênesis:


COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.
Ayeska Cruz 06 de Julho às 07:32

DEFINITIVAMENTE, EU NÃO ACHEI NADA DE COMPLICADO NA TRAMA...É SÓ PRESTAR O MÍNIMO DE ATENÇÃO...E, O FILME É ÓTIMO...AS CENAS DO EXTERMINADOR TENTANDO SORRIR É BEM IDIOTA, E,POR ISSO, MUITO ENGRAÇADA. QUE VENHA O PRÓXIMO...JÁ QUE O FAMIGERADO DO SKYNET AINDA DEU SINAL DE VIDA NO FINAL...HEHEHEHEHEHE

[Denunciar]

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES