Brasília-DF,
28/JUN/2017

Táxi Teerã, vencedor do Urso de Ouro, chega ao Brasil

Limite entre ficção e realidade é testado pelo cineasta iraniano Jafar Panahi

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:20/11/2015 07:00Atualização:19/11/2015 14:29

Ações de criminosos são debatidas, sem pretensões teóricas, em frente às câmeras no filme Táxi Teerã, vencedor do Urso de Ouro no último Festival de Berlim. Impedido de se realizar na profissão de cineasta, o diretor do filme, Jafar Panahi, já foi preso pela afronta aos códigos de censura do Irã. Discutindo moralidade, Panahi cria um filme que serve como denúncia, regado a ideais de recreação e poesia.
 
Limites entre ficção e realidade são testados com o próprio diretor conduzindo um táxi. Mesmo sentado o tempo inteiro, Panahi se mostra longe de confinamento, por exercer uma arte generosa e bem-humorada, sem resquícios de um criador que já fez greve de fome em sinal de protesto.
 
A sobrinha do diretor, Hana, menina ranzinza e falastrona, é quem exalta limites para o cinema aceito no Irã: nada de violência registrada, abolição de temas políticos e econômicos e expressão de valores positivos.
 
O diretor revela sua popularidade, como voz que desacata parte destes preceitos e macula parte da “decência islâmica”. Mesmo com irritante celular em punho, que não dá trégua enquanto Jafar dirige, o diretor conduz mais do que bem: mantém o interesse, e com uso de uma imagem de rosa, reitera a singeleza de seu belo cinema.
 
Confira as sessões de Táxi Teerã aqui.  

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES