Brasília-DF,
18/NOV/2017

Cinebiografia de Dalton Trumbo peca pelo roteiro com linguagem televisiva, mas segura nas atuações

Bryan Cranston foi indicado ao Oscar de Melhor Ator pelo trabalho como protagonista

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:29/01/2016 07:00Atualização:28/01/2016 19:03

 (Hilary Bronwyn Gayle/Divulgação)

 

Uma trama de reparação de erros sociais, em que não há definição explícita de heróis e vilões — “mas apenas vítimas”, nas palavras do protagonista — se desenha ao longo de Trumbo, dirigido por Jay Roach. O longa inspirado na biografia de Dalton Trumbo, autor de Johnny vai à guerra e de belos roteiros hollywoodianos, trata de intimidação e de comportamentos reles.  No longa, há concentração de episódios da vida dele, entre as décadas de 1940 e 1970.


Vaidoso e exigente, pelos ideais, Trumbo dividia o mundo entre aliados e inimigos e chegava a excessos como o de detectar até “insurreição familiar” entre os próprios parentes. Pena que o roteiro seja linear, com estrutura algo televisiva e sem as reentrâncias ou a dubiedade do protagonista. O medo da “dominação” comunista, disseminado por comissão governamental americana até meados dos anos de 1970, é um dos personagens do filme que renderam a Bryan Cranston (da televisiva Breaking bad) indicação ao Oscar de melhor ator.


A tentativa de retirada do livre-arbítrio no campo dos pensamentos, arquitetada em especial pelo senador Joseph McCarthy, e que foi endossada por figuras como John Wayne e Ronald Reagan, é denunciada pelo filme. Apartado das motivações corriqueiras de Hollywood (“sexo e dinheiro”, como ressalta um personagem), Trumbo é escantilhado da indústria, perseguido como traidor. Anônimo, passou a retrabalhar roteiros tidos como defeituosos, além de engendrar um esquema multiplicador de trabalhos junto à indústria do cinema, na clandestinidade.


Quem dá muito brilho ao filme, claro,  com Bryan Cranston, é Helen Mirren, dona do ótimo retrato da asquerosa e intriguenta Hedda Hooper, jornalista ardilosa e manipuladora, nos bastidores. Sem a mesma relevância, nas telas, pipocam representações de personalidades como Otto Preminger e Kirk Douglas.


Exemplar, no quesito versatilidade, o cineasta de comédias como Entrando numa fria oferece, por fim, drama digno que revitaliza o interesse por clássicos roteirizados por Trumbo, do porte de A princesa e o plebeu e Spartacus. Além disso, não deixa de ser curioso ver Cranston disputando o mesmo Oscar que, por anos, marginalizou Trumbo, um sobrevivente, pelo uso de pseudônimos e tutano.

 

Confira as sessões do filme Trumbo aqui

 

 

 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES