Brasília-DF,
22/OUT/2017

Longa 'Diplomacia' investe no poder das palavras

Adaptado de uma peça de Cybil Gély, filme se passa em período violento da Segunda Guerra

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:29/01/2016 07:00Atualização:28/01/2016 19:03
General von Choltitz está determinado a seguir as ordens do Terceiro Reich (Reprodução/Internet)
General von Choltitz está determinado a seguir as ordens do Terceiro Reich

Não são apenas os filmes ancorados na Bíblia que trazem a força da palavra: Diplomacia, adaptado de uma peça de Cybil Gély, respalda a tônica de um discurso argumentativo capacitado a mover montanhas, em meio ao período violento da Segunda Guerra.
 
  
Sem se ater ao cenário de sangue, comum às produções do filão, o diretor Volker Schlondorf opera noutro campo minado. Um gigantesco impasse desestabiliza o general von Choltitz, determinado a seguir as ordens do Terceiro Reich, invasor da França que pretende tirar Paris do mapa.

Uma barreira moral e repleta de racionalidade represa o fôlego do militar. Entrando, por passagem secreta do hotel em sala que Choltitz despacha, o cônsul sueco Nordling faz uso de sabatina íntima, que pode tocar o general a ponto de mudar o curso da história.
 
Com um filme conciso, sem espaço sequer para coadjuvantes, Schlondorf mostra uma capacidade de síntese quase indispensável, já que o filme praticamente se passa num só cenário. Funcional, pouco dado à emotividade, o roteiro é preciso, e, o melhor — com dois atores gabaritados como André Dussolier e Niels Arestrup, fica impossível para o cineasta perder o tiro.
 
Confira as sessões de Diplomacia aqui.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES