Brasília-DF,
25/ABR/2017

Traição conjugal e últimos desejos são ingredientes do filme de Carlos Vermut

"A garota de fogo" tem despojamento visual graças à veia de ilustrador do cineasta

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:22/04/2016 07:30

 

Filme de Carlos Vermut surpreendeu ao levar o prêmio máximo no Festival de San Sebastián
 (Reprodução/Internet)
Filme de Carlos Vermut surpreendeu ao levar o prêmio máximo no Festival de San Sebastián
 

 

Nem mesmo os consagrados diretores dinamarqueses Bille August e Susanne Bier, ou ainda o celebrado francês François Ozon conseguiram desbancar o brilho do cineasta espanhol Carlos Vermut que, no Festival de San Sebastián, faturou prêmios de melhor filme e direção, pelo longa A garota de fogo. Traição conjugal e últimos desejos de uma menina moribunda dão caldo para a trama.


Com título emprestado de música do compositor popular Manolo Caracol, Carlos Vermut dirige um filme cercado por denso mistério. Abertamente elogiado pelo colega de profissão Pedro Almodóvar, Vermut projeta a obscuridade do cinema do chileno Alejandro Jodorowsky, além de verter algo da intrigante pegada de Buñuel.


Além do roteiro inusitado, A garota de fogo traz despojamento visual incomum, herdado da vocação de ilustrador do cineasta ainda trintão. Premiada melhor atriz, na disputa pelo respeitado Goya, Bárbara Lennie (vista em A pele que habito) interpreta Bárbara, acidentalmente, envolvida pelo desempregado Luis (Luis Bermejo, de Días de fútbol). Entre eles, fica interposta uma rede de sexo brutal e um senhor de comportamento bem imprevisível (José Sacristán).

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES