Brasília-DF,
19/NOV/2017

Poder e cobiça movem 'Jogo do dinheiro', de Jodie Foster

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Alexandre de Paula- Especial para o Correio Publicação:27/05/2016 07:33Atualização:26/05/2016 17:04

 (Internet / Reprodução)

 

Lee Gates (George Clooney) é um espalhafatoso apresentador de tevê empenhado em convencer o público a investir dinheiro em determinadas ações. O problema é que, em uma tarde, um desses espectadores invade, armado e com bombas, o set do programa para cobrar explicações. Uma das empresas indicadas por Gates teve uma queda inesperada no valor das ações e US$ 800 milhões desapareceram em um único dia.

 

É a partir dessa situação que se desenrola Jogo do dinheiro, filme dirigido por Jodie Foster. Com Clooney e Julia Roberts (diretora do programa) nos papéis principais, Foster consegue mesclar densidade e entretenimento. A sensação de fracasso latente de todos os personagens (independentemente das condições financeiras e sociais) é traço forte do filme, mas a política é que dá o tom.

As críticas a Wall Street e às obscuras transações que podem render ou perder milhões de dólares em segundos são fortes e expostas pela jornada do personagem de Clooney para entender o que ocorreu de fato. Ao mesmo tempo, o pseudojornalismo, a espetacularização de tudo (clara na transmissão ao vivo do próprio sequestro de Gates) também são alvos do olhar afiado da diretora.

 

No longa, Foster consegue a proeza de executar a difícil missão de produzir um filme divertido e ao mesmo tempo crítico e denso. Jogo do dinheiro rende boas risadas, mas também faz pensar e questionar se o modo de agir do mercado financeiro não é realmente um grande mal.

 

Clique aqui e confira as sessões

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES