Brasília-DF,
18/OUT/2017

Rito de dores e solidão formata longa nacional de José Pedro Goulart

'Ponto zero' é centrado em trajetória adolescente

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:27/05/2016 07:47Atualização:26/05/2016 17:11

[FOTO1]

 

Um pai de caráter pouco inspirador, uma mãe perturbada por confusão mental e quase nenhum aliado isolam o protagonista de Ponto zero, centrado em trajetória adolescente. Vivido, em alto estilo, por Sandro Aliprandini, Ênio está ansioso e sozinho, em permanente silêncio, por quase toda a trama do longa, compactada na ênfase do sufocamento juvenil.


Repassar as angústias da transposição de uma fase turbulenta, num contexto de cruel discriminação e nula vivência social é o objetivo maior do cineasta estreante em longas José Pedro Goulart.

Estruturado, enfaticamente, num fatalismo e numa condição de vida irreparável para Ênio, Ponto zero se afirma na complexidade de um universo que parece expurgar o jovem.

 

Mesmo seduzido pelas facilidades do tom acolhedor de vozes femininas (em telessexo), por exemplo, o jovem terá pouco mais do que tensão, no filme que é exemplar em elaborações de fotografia e música (a cargo de Leo Henkin, do musical Tangos e tragédias).

Clique aqui e confira as sessões

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES