Brasília-DF,
20/NOV/2017

Zhang-ke Jia mostra talento no filme 'As montanhas se separam'

A fotografia caprichada é um dos pontos altos do filme premiado em vários festivais europeus

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:01/07/2016 06:35Atualização:30/06/2016 18:26



Ainda que tenha perdido a Palma de Ouro do Festival de Cannes para o urgente tema desenvolvido em Dheepan, sobre imigração ilegal, o novo longa de Zhang-ke Jia obteve reconhecimentos importantes como o de ser o melhor filme europeu no Festival de San Sebastián (Espanha).


Dominando como poucos a construção da imagem, o diretor de fotografia Yu Lik-wai (irrelevante como cineasta de filmes como Plastic city) responde pelos maiores méritos do longa de Zhang-ke que impressiona ainda pela maneira como dispersa o conteúdo, em três fases distintas —  nos anos de 1999, 2014 e 2025.

Admirado por cineastas como Walter Salles, Zhang-ke é gabaritado em contar das transformações chinesas e das cisões familiares outrora regidas pela tradição, numa sequência de filmes encadeada desde Plataforma (2015).

 

 


Tratando de recursos, financeiros e energéticos abrangendo tópicos como petróleo e carvão, o cineasta dispõe o triângulo latente da trama: a disputada e radiante Tao (Zhao Tao) e os rivais Laingzi (Liang Jin Dong) e Zhang (Zhang Yi). Em cena, estão apogeu e queda.


Pela força da música secular que estranhamente dialoga (pasmem!) com Go west, do Pet Shop Boys, na trilha sonora; pela singularidade dos dramas relacionados ao trio central e pela crítica indireta ao capitalismo desmedido, em que um jovem atende por “Dollar” (Dong Zijiang), Zhang-ke Jia demonstra muito do teor de sua soberania no cinema contemporâneo.

 

Para conferir as sessões de As montanhas se separam, clique aqui

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES