Brasília-DF,
24/JUL/2017

Maternidade, citações artísticas e sensualidade são principais características de 'Julieta'

Em novo filme, Pedro Almodóvar vai da paixão à serenidade e volta ao universo feminino que o consagrou

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Ricardo Daehn Publicação:08/07/2016 06:30

A relação entre mãe e filha é o mote de Julieta (Universal Pictures/Divulgação)
A relação entre mãe e filha é o mote de Julieta
 

O mais novo filme de Pedro Almodóvar, Julieta, envolve combinações infalíveis: um cineasta que ama a maternidade, um universo de citações artísticas sem excessos e um quê de sensualidade, além de tipos coadjuvantes intrigantes. Ainda que insista na combinação de vermelho e azul —  grosso modo, uma mescla de paixão e serenidade —, Almodóvar compõe um filme da enlevação da espiritualidade, numa lógica simbólica.

 

Sozinha em Madri, Julieta (em fases distintas, Adriana Ugarte e Emma Suárez) tem à frente (ou mesmo no passado) uma estilhaçada vida de mãe abandonada. Antía (Priscilla Delgado e Blanca Parés), a filha, simplesmente, não a aceita. No melodrama classudo, Julieta, em cena, adentra o campo da cisão: tendo por fundo, um quadro decorativo, sai da área escura em direção ao branco. Tudo bem didaticamente demarcado numa fita sutil.

 

 

 

Na travessia das personagens, tudo vem em camadas, lembrando dilemas e estruturas da protagonista de A flor do meu segredo (1995): sugestiona-se a “juventude eterna”, emancipação e escolha de destinos também são assunto encampados e, na trama, vemos brotar sementes de traições. De soslaio, são perceptíveis as influências de Almodóvar. Ele aposta em Hitchcock (visível na sequência do trem, com o cervo misterioso), honra a literatura de Alice Munro (da qual adapta três historietas) e menciona ainda a escritora Patricia Highsmith.

 

Por sorte, passado o equívoco Os amantes passageiros (2013), Almodóvar se reafirma. Rossy de Palma, um ícone do cinema dele, arrebata, ao dar vida à mecânica, mas autoritária serviçal Marián. Roubados do antigo Que fiz eu para merecer isso? (1984), transparecem os comportamentos muito adultos, mas estranhos das amigas Bea e Antía. Impressiona ainda a arte de escapar do ridículo, mesmo avançado em situações que lembram romances baratos. Outros elementos legítimos das tramas de Almodóvar repercutem, na tempestade, numa situação de coma e mesmo num atropelamento.

 

Confira aqui as sessões do filme.

 

Muito do enredo de Julieta se desdobra no município pesqueiro de Ferrol, local que abriga uma peça-chave para a fita: o envolvente Xoan (Daniel Grao), com o qual se casou. Delicado, o cineasta lida com emoções densas, numa trama a meio-termo entre modernidade e clima retrô. 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

CINEMA

TODOS OS FILMES [+]

EVENTOS






OK

BARES E RESTAURANTES